Pandemia de coronavírus aumenta casos de doenças imunopreveníveis no Brasil

A interrupção da vacinação rotineira vem trazendo o retorno de doenças eliminadas ou controladas em território nacional

Vacina
Vacina (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Raphaella Brumatti, da Agência Einstein - Enquanto toda a atenção do mundo está voltada para a descoberta da cura e prevenção da Covid-19, aumenta o registro no número de casos de pessoas com doenças antes eliminadas ou controladas em território nacional, tais como, sarampo, poliomielite, rubéola, difteria, febre amarela, além da gripe e meningite, em crianças, idosos e outros grupos de risco.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado recentemente pelo Ministério da Saúde, os casos de sarampo vêm aumentado no Brasil, que em 2016 recebeu certificação de controle da doença. Só no primeiro trimestre de 2020, já foram mais de 3.600 casos registrados em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pará e Paraná, além de quatro óbitos, sendo dois no Pará, um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo. Com cenário semelhante de retorno, a febre amarela também vem preocupando as autoridades por já ter registrando 16 casos em Santa Catarina e Pará, sendo três óbitos.

O pediatra e presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha, explica que apesar do distanciamento social e da Covid-19, é importante que as famílias se protejam das doenças imunopreveníveis e cumpra o protocolo de vacinação. “Corremos sérios riscos de viver uma epidemia de poliomielite, rubéola, difteria, entre outras doenças que podem ser evitadas através da vacinação. A população está com receio de ir aos postos de saúde, mas temos orientado todas as equipes quanto às medidas de segurança para evitar infecções. A redução na procura pelas vacinas disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) é preocupante e vem sendo percebida pelo Ministério da Saúde”, enfatiza.

Com o objetivo de incentivar a população e profissionais da saúde a manterem as carteiras de vacinação, especialmente das crianças, em dia, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançaram a cartilha digital “Pandemia da COVID-19: o que muda na rotina das imunizações”. O documento contém orientações sobre estratégias que possibilitam que as ações de vacinação continuem acontecendo durante a pandemia de maneira segura. Além disso, também estenderam até o final do mês de junho a campanha educativa de estímulo a vacinação para conscientizar a sociedade sobre a importância da vacinação atualizada.

O especialista Juarez Cunha, lembra que as vacinas são disponibilizadas gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde e que todos devem se vacinar: crianças, adolescentes, mulheres, homens e idosos, sem restrições. “Enquanto buscamos a cura e prevenção da Covid-19, não podemos correr o risco de termos aumento no número de casos de outras doenças também muito graves que levam a morte e poderiam ser prevenidas com vacinas já existentes”, pontua. O calendário de vacinação está disponível no site da Sociedade Brasileira de Imunizações.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247