Tá nos trends

"#Crivellaimpugnado" é assunto mais comentando nas redes com julgamento no TSE empatado

Apenas dois ministros do TSE votaram no processo que decide sobre e elegibilidade do candidato à reeleição do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos)

Marcelo Crivella
Marcelo Crivella (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do processo do candidato à reeleição do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos) está empatado. O ministro Edson Fachin acatou o recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE) de manter inelegível o prefeito do Rio de Janeiro.

Na sexta, o ministro Marcelo Campbell, que é o relator, negou o recurso e votou pela elegibilidade de Crivela. O TSE tem sete ministros, ainda faltam os votos de mais cinco.

O tema é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais em que a hashtag #crivellaimpugnado ganhou os tredding topics do Twitter.

Em 12 de outubro deste ano, Campbell suspendeu os efeitos de uma decisão tomada em setembro pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro que havia tornado Crivella inelegível por oito anos. Com isso, o prefeito teve seu registro de candidatura em 2020 aceito. 

O julgamento trata do caso envolvendo a campanha de 2018, quando Crivella participou de um evento na quadra da Estácio de Sá e pediu votos para seu filho, Marcelo Hodge Crivella, que era candidato a deputado federal pelo PRB (hoje Republicanos). Na ocasião, veículos da Comlurb, a empresa municipal de limpeza, foram usados para transportar funcionários da empresa para a reunião.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247