HOME > América Latina

Lula defende retorno da Venezuela ao Mercosul e diz que 'desunião das forças democráticas só serve à extrema direita'

"Quanto mais sólida for nossa parceria, menor será o apelo dos que pregam divisões", disse o presidente Lula durante viagem à Bolívia

(Foto: Ricardo Stuckert / PR)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta terça-feira (8),  “que a desunião das forças democráticas só tem servido à extrema direita” e que a integração regional é vital para evitar ameaças à democracia na América do Sul. 

“Não podemos tolerar devaneios autoritários e golpismos.Temos a enorme responsabilidade de defender a democracia contra as tentativas de retrocesso. Em todo o mundo, a desunião das forças democráticas só tem servido à extrema direita. “Os exemplos recentes na França e no Reino Unido demonstram o imperativo de superar diferenças em prol de um objetivo comum. Isso também se aplica à integração regional. Quanto mais sólida for nossa parceria, menor será o apelo dos que pregam divisões”, disse Lula em Santa Cruz de la Sierra, principal polo econômico da Bolívia.

Ao lado do presidente boliviano Luis Arce, Lula saudou o ingresso do país andino no Mercosul e defendeu o retorno da Venezuela ao bloco econômico. “O bom funcionamento do Mercosul, que agora tem a satisfação de acolher a Bolívia como membro pleno, concorre para a prosperidade comum.Esperamos também poder receber logo e muito rapidamente de volta a Venezuela. A normalização da vida política venezuelana significa estabilidade para toda a América do Sul. Por isso, fazemos votos de que as eleições transcorram de forma tranquila e que os resultados sejam reconhecidos por todos”, destacou. 

A declaração de Lula foi feita após uma reunião bilateral e a assinatura de atos com o presidente da Bolívia, Luis Arce. Lula ainda deve participar de um encontro com movimentos sociais e de um fórum empresarial.

Na segunda-feira (8), Lula participou da cúpula do Mercosul. Durante o evento, Arce formalizou a adesão da Bolívia ao bloco econômico, que já conta com Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai como membros fundadores.

Confira  aíntegra da declaração à imprensa do presidente Lula após reunião bilateral com o presidente da Bolívia, Luis Arce:

"Quero começar agradecendo ao presidente Arce por me receber neste momento em que as instituições bolivianas mostraram seu valor frente a uma grave ameaça.

Depois de quinze anos desde a última vez em que estive na Bolívia como Presidente, minha vinda simboliza mais que a retomada de uma relação de amizade.

Ela representa também a comunhão de dois países cuja trajetória tem importantes paralelos.

Assim como no Brasil, a democracia boliviana prevaleceu após um longo caminho entrecortado por golpes e ditaduras.

Mas o que julgávamos que era o fim da estrada provou ser ainda um terreno movediço.

Em 2022, o Brasil completou o bicentenário de sua independência num dos momentos mais sombrios da sua história.

Em vez de celebrar, fomos tomados por uma onda de extremismo que desembocou no 8 de janeiro.

O povo boliviano já havia provado desse gosto amargo com o golpe de Estado de 2019 e agora se viu acometido pela tentativa de 26 de junho.

Às vésperas de comemorar o seu bicentenário em 2025, a Bolívia não pode voltar a cair nessa armadilha.

Não podemos tolerar devaneios autoritários e golpismos.

Temos a enorme responsabilidade de defender a democracia contra as tentativas de retrocesso.

Em todo o mundo, a desunião das forças democráticas só tem servido à extrema direita.

Os exemplos recentes na França e no Reino Unido demonstram o imperativo de superar diferenças em prol de um objetivo comum.

Isso também se aplica à integração regional.

Quanto mais sólida for nossa parceria, menor será o apelo dos que pregam divisões.

O bom funcionamento do MERCOSUL, que agora tem a satisfação de acolher a Bolívia como membro pleno, concorre para a prosperidade comum.

Esperamos também poder receber logo e muito rapidamente de volta a Venezuela.

A normalização da vida política venezuelana significa estabilidade para toda a América do Sul.

Por isso, fazemos votos de que as eleições transcorram de forma tranquila e que os resultados sejam reconhecidos por todos.

Bolívia e Brasil estão no coração sul-americano. A integração física e energética da região passa necessariamente por nossos países.

O engajamento boliviano é chave para a conclusão do conjunto de rotas que o Brasil tem chamado de Quadrante Rondon.

Com a construção da ponte binacional sobre o rio Mamoré, o transporte de bens ficará mais barato, beneficiando em particular os estados de Beni e Pando (na Bolívia) e Rondônia e Acre (no Brasil).

As propostas brasileiras para melhorar a navegabilidade no canal Tamengo e no rio Paraguai também visam a facilitar nossa conexão.

A Bolívia segue sendo o principal fornecedor de gás natural do Brasil.

Conversamos sobre a possibilidade de ampliar investimentos nessa área e incrementar o volume exportado para o mercado brasileiro.

O Brasil também importa fertilizantes da Bolívia. Queremos fortalecer essa parceria com a implantação de uma fábrica de nitrogenados entre Corumbá e Puerto Quijarro.

Felicitei a Bolívia pela opção em investir em biocombustíveis e reiterei a disposição do Brasil de compartilhar sua experiência e tecnologia, de modo a contribuir para a transição justa da Bolívia.

No centro dessa transição também estarão os minerais críticos.

A Bolívia tem grandes reservas de lítio, enquanto o Brasil possui terras raras, nióbio, cobalto, entre outros. Há pouco tempo descobriu-se em solo brasileiro o terceiro maior depósito de manganês do planeta.

Como bem descreveu Eduardo Galeano, pelas veias abertas da América Latina correram o ouro de Minas e a prata de Potosí, que enriqueceram outras partes do mundo.

Juntos, podemos nos inserir de forma soberana nas cadeias de valor de recursos estratégicos e evitar que esse histórico de espoliação continue se repetindo no nosso continente. 

Além do excelente relacionamento bilateral, Bolívia e Brasil partilham de visões de mundo convergentes, o que nos faz parceiros naturais em diversos temas.

A prioridade conferida à redução das desigualdades e à promoção da segurança alimentar é um deles.

Por isso, fiz questão de convidar a Bolívia a participar da Cúpula do G20 em novembro e a se somar à Aliança Global de Combate à Fome e à Pobreza que será lançada pela presidência brasileira.

O presidente Arce também manifestou o interesse boliviano de ingressar nos BRICS.

A questão da ampliação do grupo continuará a ser discutida na Cúpula de Kazan, na Rússia, em outubro. O Brasil vê como muito positiva a inclusão da Bolívia e de outros países de nossa região.

Compartilhamos com a Bolívia nossa maior fronteira, de 3400 quilômetros, e dois dos nossos mais importantes biomas, a Amazônia e o Pantanal.

Infelizmente, a mudança do clima e o crime organizado não respeitam limites.

Disse ao presidente Arce que já temos uma excelente cooperação no âmbito da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica e que também podemos trabalhar juntos para combater os incêndios no Pantanal.

Assinamos hoje diversos projetos para fortalecer a capacidade de agentes públicos de combaterem o tráfico de pessoas e de drogas e melhorarem a gestão migratória.

Também iniciamos negociação para viabilizar o acesso de brasileiros à saúde pública na Bolívia, da mesma forma que bolivianos podem utilizar o Sistema Único de Saúde no Brasil.

Conversamos sobre a importância de garantir segurança jurídica a brasileiros na Bolívia, para que eles continuem colaborando com o desenvolvimento econômico deste país.

A Polícia Federal e o Consulado da Bolívia em São Paulo estão trabalhando juntos para regularizar a situação migratória dos milhares de bolivianos que tanto têm contribuído para dinamizar nossa economia e enriquecer nossa cultura.

É esse espírito de intercâmbio e cooperação que pauta a relação ente o Brasil e a Bolívia.  Estou certo de que nosso diálogo e amizade crescerão e nos aproximarão cada vez mais.

Muito obrigado."

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados