Afinal, o que é responsabilidade fiscal?

É uma lei importante para a manutenção do equilíbrio das contas públicas, funciona como um “código de conduta” dos administradores

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


Pedro Benedito Maciel Neto

Responsabilidade Fiscal” é o comando previsto na Lei Complementar nº 101/2000, que regulamenta a utilização de recursos públicos. A lei traz regras que buscam fazer com que os governantes controlem seus gastos, respeitando limites de despesas e cumprindo metas orçamentárias. É uma lei importante para a manutenção do equilíbrio das contas públicas, funciona como um “código de conduta” dos administradores, que visa ao equilíbrio das contas públicas e à utilização compromissada do orçamento.

Mas quem teve responsabilidade fiscal de fato no seu governo? Uma resposta honesta exige análise dos dados fiscais. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas eleições de 2014 o candidato do PSDB dizia que o país estava à beira de um colapso, responsabilizava a presidente Dilma pelo caos que se anunciava e apresentava-se como representante de um partido que primava pela responsabilidade fiscal e pela austeridade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Será que Aécio dizia a verdade?

A dívida do setor público – governo federal, estados e municípios – pode ser uma boa métrica para análise do cumprimento da responsabilidade fiscal. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É possível medir a análise observando a dívida bruta do governo, que contabiliza todos os passivos do setor público ou da dívida líquida do setor público em relação ao PIB. No Brasil o adequado é a segunda, pois a venda de títulos no país também teve como contrapartida a aquisição de ativos por parte do setor público para aquisição de reservas internacionais.

O gráfico abaixo mostra a inegável responsabilidade fiscal dos governos de 2003 a 2014.

pib

No Brasil, a relação dívida pública líquida teve duas tendências nos últimos 20 anos: a primeira foi de elevação, de 1995 a 2002, no governo FHC, quando mais do que dobrou, saindo de 29,5% do PIB para 60,4%, e a segunda foi de redução, no governo Lula-Dilma, saindo dos 60,4% do PIB entregues por FHC, para pouco mais de 30% em 2013 e 34,9% em junho de 2014. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outros indicadores fiscais relevantes, por influenciarem na trajetória da dívida pública, são os resultados primário e nominal. O balanço primário é calculado como a diferença entre as receitas totais e as despesas não financeiras, isto é, exclui-se o pagamento de juros sobre a dívida pública das despesas gerais do governo. A segunda é o balanço nominal, que inclui na conta os juros da dívida pública.

pib

É fácil notar que o superávit primário foi muito baixo no primeiro governo FHC, mudando de patamar após a forte crise cambial em 1999. Desde então, os governos Lula-Dilma mantiveram a política de superávit primário, reduziram o déficit nominal médio através da redução dos juros em relação ao governo FHC, e por consequência o volume de juros pagos relativamente ao PIB, e atingiu uma queda sustentada da relação dívida pública/PIB.

Não é muito difícil ver qual governo teve mais responsabilidade fiscal. Aliás, mais límpido impossível. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas e Bolsonaro? 

Bem, recente edição da super liberal revista britânica The Economist traz um artigo com o título "Following the money" ("Seguindo o dinheiro") no qual decreta: "Jair Bolsonaro é ruim para a economia do Brasil". Guedes e Bolsonaro são um fracasso retumbante, pois Guedes abandonou qualquer compromisso com a responsabilidade fiscal e passou a apoiar a iniciativas do governo de driblar o marco legal do teto de gastos, como a PEC dos Precatórios. Não que eu apoie com o tal “teto de gastos”, mas segundo os liberais ele “foi crucial para reorganizar as finanças do país”.

A Economist também lista a inflação crescente, altas taxas de juros e baixo crescimento econômico como "doenças" que têm acometido a economia brasileira sob a liderança do atual presidente. 

Fato é que Bolsonaro e Guedes são incompetentes, não tem projeto para o país, se movimentam ou são movimentados ao sabor das redes sociais; é um governo que não é liberal, nem desenvolvimentista, é apenas um desgoverno.

E apesar das promessas de Guedes de promover reformas radicais para acabar com a ineficiência do Estado, o ministro não conseguiu ir além dos ganhos com a reforma da Previdência, a independência do Banco Central e pequenas simplificações regulatórias. 

Bolsonaro deixou de lado o ímpeto reformista para “comprar apoio político e popularidade” com mais gastos públicos, estão aí as emendas do relator e o orçamento secreto - novos nomes para a antiga compra de votos -, corrupção da ordem de 15 ou 20 bilhões de reais por ano.

E a aliança do presidente com o centrão foi o caminho encontrado por Bolsonaro para escapar do impeachment diante das evidências de sua má gestão da pandemia no país.  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email