Clementino: um herói anônimo e as reformas de Temer

Esse herói [Clementino] foi vítima do Estado brasileiro em dose dupla: além de perder direitos, perdeu um dos seus olhos (repito: um olho foi mutilado) por um tiro da arma de um policial irresponsável que atentou imprudentemente – ou deliberadamente – contra a multidão que marchava na Esplanada dos Ministérios contra as reformas do Governo de Michel Temer, o Mentiroso

Esse herói [Clementino] foi vítima do Estado brasileiro em dose dupla: além de perder direitos, perdeu um dos seus olhos (repito: um olho foi mutilado) por um tiro da arma de um policial irresponsável que atentou imprudentemente – ou deliberadamente – contra a multidão que marchava na Esplanada dos Ministérios contra as reformas do Governo de Michel Temer, o Mentiroso
Esse herói [Clementino] foi vítima do Estado brasileiro em dose dupla: além de perder direitos, perdeu um dos seus olhos (repito: um olho foi mutilado) por um tiro da arma de um policial irresponsável que atentou imprudentemente – ou deliberadamente – contra a multidão que marchava na Esplanada dos Ministérios contra as reformas do Governo de Michel Temer, o Mentiroso (Foto: Marconi Moura de Lima Burum)

Esse não é bem um artigo como os que escrevo com frequência. Pedi ao Brasil 247 para publicar a carta do Dr. Daniel Sabino, médico do Sr. Clementino Nascimento Neto, esse cidadão que veio do interior de Goiás a Brasília no dia 24 de maio de 2017 ("Ocupa Brasília") para lutar pelos nossos Direitos Sociais, especialmente contra a Reforma da Previdência e a Deforma Trabalhista nos moldes que estão sendo aprovadas no Congresso Nacional.

Esse herói [Clementino] foi vítima do Estado brasileiro em dose dupla: além de perder direitos, perdeu um dos seus olhos (repito: um olho foi mutilado) por um tiro da arma de um policial irresponsável que atentou imprudentemente – ou deliberadamente – contra a multidão que marchava na Esplanada dos Ministérios contra as reformas do Governo de Michel Temer, o Mentiroso.

Sem nos estendermos sobre esses direitos perdidos (já), mas leis como a da Terceirização integral, que sufoca a negociação patrão-empregado, com[o]prime salários; e da reforma do Ensino Médio, que não servirá para as escolas privadas, ou seja, só ao filho do Clementino – este que aprenderá somente a "apertar parafusos" na escola, portanto, estão nos enganando, chamando esse tipo de educação de técnica, de funcional; e reformas como a da Previdência e a Trabalhista, que tendem a nos jogar de volta no limbo do século 19, e da vergonha mundial.

Ademais, além da carta do profissional médico que se emocionou (foi às lágrimas, de fato) com a violência sofrida por Clementino, eu resolvi também compor um poema para homenagear esse herói. (Não. Espere aí. Não é somente para prestar homenagem. Esses dois textos abaixo precisam servir a nossos filhos e aos filhos de nossos filhos. Precisam ser fonte de inspiração à luta por uma sociedade mais justa, um País mais digno, uma nova Civilização. Portanto, Clementino precisa entrar para a História como mais um dos heróis da pátria. E é esse o esforço destes textos que seguem agora.)

.......................

Carta do médico do Hospital de Base de Brasília sobre um manifestante baleado

Clementino finalmente foi dado de alta hoje, sábado. Depois de 10 dias internado, ontem a noite foi submetido a um procedimento cirúrgico. Partiu, com um olho a menos, acompanhado de sua humilde esposa, sacola de plástico na mão, chinelo de dedo, a pé, em direção ao metrô. Fará uma escala na Ceilândia, na casa de um familiar, até conseguir pegar o ônibus para Goianésia, a mais de 200 km de Brasília.
Ontem levei-lhe duas camisas, porque já não tinha roupas limpas. O Estado? A Defensoria Pública? A OAB? A Secretaria de Direitos Humanos? Os moralistas? Nunca apareceram! Alguém da polícia para ao menos pedir-lhe desculpas? Quem vai devolver-lhe esse olho?
Quem vai arcar com os prejuízos materiais, físicos, psicológicos e morais desse cidadão, cujo único crime foi vir a Brasília manifestar-se por seus direitos?
Chorei ao sair do hospital: pela hipocrisia, a ignorância e a desumanidade do cidadão médio brasileiro. Não se trata de ideologias, de partidos políticos, mas de respeitar a condição humana, a dignidade. Sinto aquela impotência que rasga a carne. A esperança se esvai.
Só me resta uma certeza: são esses heróis anônimos que fazem a História, enquanto vocês ficam sentados no sofá assistindo televisão chamando-os de baderneiros.

(Relato do Dr. Daniel Sabino, médico que cuidou de Clementino durante toda a sua internação no HBB.)

.......................

Clementino, o herói anônimo do Brasil

São tantos Clementinos,
Mas somente ele perde um olho
Ao tiro do policial
E do Estado estressado.

Emprestado à luta por um Brasil igual,
O homem volta a seu lar,
No interior dos Goyazes,
Onde outros Goyazes também foram
[ mutilados.
Clementino está menos completo:
Parte de seu corpo foi arrancada por um
[ projetil displicente;
Parte de seus direitos,
Arrancada por um
[ projeto indecente;
Parte de seus sonhos,
De uma vida melhor a todos,
Arrancada
Por despostas que elegemos
A nos matar pouco-a-pouco,
Arrancando parte
Do sonho ou do corpo;
Nossas oportunidades
[ e de nossos filhos.
Seja como for,
Clementino é um herói anônimo
E merece nossa solidariedade.

Clementino perdeu um olho
No campo de batalha covarde,
Na luta incansável,
Por mais que a dor e a sensação
Seja de impotência
Diante dos representantes da Nação.

Foi no histórico dia 24 de maio,
Na sequência das lutas
E da Greve Geral de Abril.
Abriu uma fenda sem fim nesse
[ atual ridículo Brasil.
E abriu uma fenda na face
[ do nosso herói gentil.

Clementino,
Que enfrentava o Presidente Cretino,
E nos inspira jamais recuar
Dessa luta por um Brasil
Que nossos filhos possam se orgulhar.

É desse herói o simbólico bradar.
Não há o que Temer.
(Fora!)
Vencer e avançar,
Mesmo quando a carne treme;
Mesmo quando nos rasgam a face
E nos rasgam a Constituição.
[ Relegando-nos à opressão.

Clementino,
Somente digo-te duas causas:
Meu menino,
Franzino e indefeso,
Saberá de seu peso ao Brasil.
Sua importância diante da implicância
Dos malditos que elegemos ontem.
E esse guri,
A partir de teu ato heroico,
Votará melhor que eu
E lutará tão mais que eu
Por uma nova civilização,
Digna.
E ouviremos, enfim, uma única canção,
Justa.

A outra é:
Muito obrigado!
Homem de pé e de fé,
Obrigado – e me desculpe
Por sofrer tamanha violência por nós.
(Como Cristo!)
Ao perder parte de sua visão,
(Sinto muito!)
Devolveu a nossa,
Há tanto perdida
[ pelas mentiras da televisão;
[ pela dissimulação de nossos patrões;
[ pela hipocrisia dessa ou daquela instituição.

Força, guerreiro!
Que a vida,
Clementino,
Tenha a ti outro destino.
O da paz.
O da certeza que você
Veio fazer em Brasília
(Vencer!)
Ser para sempre o nosso herói...

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247