Estrogonofe de jaca. Vai?

Um prato saboroso, diferente, com os pedaços de jaca lembrando o sabor e a textura do palmito pupunha

Estava eu vendo televisão, quando Tetê, minha mulher, falou: Rosa está nos chamando para almoçar com ela e o Mike no sábado.

- Algum prato especial? - perguntei.

- Estrogonofe de jaca.

Uau, Rosa é mesmo incrível. Vamos nessa, então.

Rosa Araújo Geszti é cozinheira de mão cheia, natureba, orgânica e vira e mexe sai inventando coisas deliciosas. Embora seja adepta do vegetal, de vez em quando faz uma costelinha de porco ou um frango para agradar o paladar do marido, o jornalista americano radicado no Brasil Michael Kepp, o Mike.

Já comi estrogonofe de coração de galinha, feito pela Adele Fátima, de língua (havia um restaurante no Rio, chamado Alpino - antes ficava no Leme, depois foi para o Jardim de Alah e depois fechou - que servia um ótimo estrogonofe de língua; aliás, eu só ia ao Alpino para comer estrogonofe de língua), mas de jaca seria a primeira vez.

Já comi, também, moquecas de caju (no Nordeste) e de jiló, esta feita pelo meu amigo cientista político Luiz Gonzaga de Sousa Lima.

Nunca me interessei, mas sei que há lugares (feiras, por exemplo) que vendem “carne” de jaca ou em gomos. Mas com a Rosa a aquisição da jaca teria que ser mais prosaica.

- Então, Rosa, onde você comprou a jaca?

- Não comprei não; pedi a um porteiro aqui da rua, amigo meu, que tirasse pra mim uma jaca verde da jaqueira que tem na praça a aqui perto de casa.

Rosa mora no Jardim Botânico, bairro carioca que ainda tem praças arborizadas. 

Ela explica que a jaca tem que ser verde, pois o miolo está mais duro e, ainda, pode aproveitar as sementes, que depois de cozidas e incorporadas ao ensopado ficam meio parecidas com castanha de caju amolecida e ao mesmo tempo crocante.

Com a jaca na mão, inicia-se o preparo, nada fácil. Corta-se a “tampa” da jaca (a parte com o talo) e coloca-se em uma panela grande, coberta de água, para cozinhar, com a casca e tudo.

- Depois de cozida fica mais fácil de retirar a casca – explica.

Abre-se a jaca ao meio e retiram-se os gomos, com os caroços.

- Ai, refogo a jaca com cebola, pimentão amarelo, alho, um pouquinho de pimenta e uma massala (mistura pastosa de ervas e especiarias) de um curry indiano (trazida pelo filho Gabriel, músico, direto da Índia). E deixo cozinhando um pouco. 

Depois é só colocar “um bom creme de leite fresco”, misturar e servir.

Resultado: um prato saboroso, diferente, com os pedaços de jaca lembrando o sabor e a textura do palmito pupunha.

Mas como comer na casa da Rosa significa se fartar, havia, ainda, frango com molho de jabuticaba e gengibre, feijão vermelho com abóbora e quiabo, arroz cateto integral orgânico Terra Livre com vagem, cenoura e gersal. Como sobremesa, um bolo de milho com passas (ela não usa manteiga, e sim, azeite) e uma compota, feita por ela, é claro, de damasco com ameixas pretas. E chá de erva-doce.

Realmente, a culinária é uma coisa fantástica mesmo.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247