Falando a mesma língua

Eis que, dias atrás, brasileiros “da gema” sofreram na pele o medo e o ódio xenófobos. Um grupo deles caminhava despreocupadamente pelas ruas de Londres, falando português, quando, de repente, uma “nativa” que passeava com seu cachorrinho os interpelou agressivamente, gritando que parassem de falar numa língua estrangeira enquanto estivessem no “país dela”. Ela se sentia “ameaçada” pela invasão bárbara, segundo o relato de um de nossos conterrâneos.

Lá na casa dos meus avós maternos, falava-se polonês. Minha avó era uma leitora voraz de romances, havia sempre um punhado deles na escrivaninha, emprestados da biblioteca do Instituto Brasil-Estados Unidos. Eram escritos em inglês, e um pequeno dicionário amarelo inglês-polonês/polonês-inglês a ajudava quando lhe fugia o significado de qualquer palavra no idioma de Shakespeare. Meu avô, ao longo dos anos, foi perdendo a audição e, quanto menos ouvia, mais alto colocava o volume da televisão da sala de estar, levando minha avó à loucura. Gritava, em alto e bom polonês “Abaixa isso, David!”, e meu avô, na maior cara de pau, respondia que não estava tão alto assim. Minha avó falava muito bem o português, e eu não conseguia perceber qualquer sotaque. Meu avô, por outro lado, apesar de décadas vivendo no Rio de Janeiro, jamais o perdeu. Nunca foram repreendidos por falarem uma língua que não o português no espaço público, não que eu saiba.

Eis que, dias atrás, brasileiros “da gema” sofreram na pele o medo e o ódio xenófobos. Um grupo deles caminhava despreocupadamente pelas ruas de Londres, falando português, quando, de repente, uma “nativa” que passeava com seu cachorrinho os interpelou agressivamente, gritando que parassem de falar numa língua estrangeira enquanto estivessem no “país dela”. Ela se sentia “ameaçada” pela invasão bárbara, segundo o relato de um de nossos conterrâneos.

A língua que falamos é, por mais óbvio que pareça, “apenas” um meio de comunicação. É um veículo de transmissão de valores, crenças, sentimentos, visões de mundo. A língua, em si, portanto, não significa nada. Aliás, a língua em si não existe, existe apenas como símbolo, incorporação concreta de significados compartilhados pelas pessoas, ela é consequência das relações interpessoais. Neste sentido, falar a mesma língua, a despeito de permitir-nos entender, a princípio, o que nosso interlocutor fala, não significa que concordamos inevitavelmente com ele nem que o consideramos parte do “nosso grupo”.  Mesma língua, crenças e valores distintos, memórias e identidades muitas vezes incompatíveis ou conflitivas.

Será mesmo que a língua que falamos define nossa identidade nacional? Será ela um atributo necessário, embora não suficiente? Será suficiente? Será apenas um aspecto prático de nossas vidas, que nos ajuda a comprar o pãozinho do café da manhã e a pagar as contas no banco sem maiores inconvenientes?

Falar a mesma língua, em sentido amplo, não é passaporte para uma vivência comum.  Um brasileiro nativo que fala português e destila seu ódio contra minorias étnicas e sexuais, por exemplo, não tem nada em comum comigo, diferentemente de um brasileiro adotivo que não fala português ou fala com dificuldade. Sem falar nas gírias e nas “expressões idiomáticas”, as línguas regionais. Um amigo cearense me desafiou a descobrir o que ele falava, na velocidade que ele costuma falar quando entre os “seus”, em Fortaleza, e eu tive que pedir ajuda ao dicionário de “cearês” (sim, existe um dicionário de “cearês”). Multilinguagem, identidades plurais, nacionalidades polifônicas.

E, se levarmos a sério esse negócio de nacionalidade, é bom aprendermos a língua guarani. Pode até ser difícil, mas a probabilidade de falarmos “cidadões”, como alguns andando balbuciando por aí, é mínima...

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247