“Fogo nos racistas”

www.brasil247.com -
(Foto: Guilherme Gonçalves/FotosPublicas)


O Brasil foi o último país a abolir a escravidão. Ao fazê-la, não incorporou os libertos à vida social, ao contrário, suas práticas e manifestações culturais foram marginalizadas. Os pretos livres e seus descendentes não tiveram acesso à saúde, educação e infraestrutura. Com isso, foram impedidos de assumir postos de trabalhos destacados ou mesmo de ingressar no serviço público, o que garantiu, por meio da imigração europeia, a formação de uma classe média branca e a manutenção das condições de trabalho servil e subumano para os pretos.

O mito da democracia racial no Brasil construiu uma ideia de ausência de preconceito que naturalizou a discriminação e tornou-a uma tradição. O “mito” mantém a estrutura e permite que o preconceito seja utilizado, pelos brancos, como instrumento contra os pretos. É por meio dele, por exemplo, que o vice-presidente sente-se à vontade para afirmar que “não há racismo no Brasil”, ao comentar o caso do assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem preto de 40 anos, espancado até a morte por dois seguranças brancos de uma loja do Carrefour1. Para Mourão, o racismo no Brasil é uma coisa importada dos EUA (constantemente utilizado como exemplo de conflito racial por aqueles que querem ocultá-lo em nosso país).

Com isso, ao brasileiro cabe o fundamental preconceito de não ser preconceituoso. Em 1988, no centenário da abolição, uma pesquisa mostrou que 97% dos entrevistados afirmaram não ter preconceito. Ao serem questionados se conheciam pessoas e situações que revelavam a discriminação racial, 98% responderam que sim2. Fica a questão: somos ilhas de democracia racial cercadas de racistas ou somos racistas incapazes de enxergar o traço de violência social que afeta a nossa subjetividade e, portanto, condiciona nossas ações pessoais pautadas no preconceito de cor e raça?  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O “Atlas da Violência 2019”3mostrou que de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são pretas. As mulheres são as principais vítimas. A taxa de homicídio de mulheres pretas cresceu 60,5% entre 2007 e 2017. O desemprego e o trabalho informal atinge mais pretos do que brancos. Mesmo estudando mais e tendo mais qualificação, os primeiros ganham menos do que os segundos exercendo a mesma função.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O racismo sustenta-se na violência secular que beneficia brancos e pune os pretos. Ser racista, portanto, significa estimular essa violência. Não há como isso prosperar. E que não se confunda a reação do oprimido com a violência do opressor. Que sejamos honestamente capazes de praticar, ainda que na intimidade, a autocrítica em relação às nossas intenções, pensamentos, ações e práticas, sem dar espaço para o preconceito, incorporando a luta antirracista como um traço de caráter. Se em larga escala isso parece uma utopia, ao indivíduo constitui uma importante ferramenta de desconstrução, crescimento e autoconhecimento. Aos que insistem na barbárie do preconceito, tomo emprestado do Djonga, com toda humildade, a máxima “Fogo nos racistas”. Não gostou da frase? É só não ser racista que tudo vai ficar bem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E o mundo vai ficar melhor.

  1 https://www.brasil247.com/brasil/apos-assassinato-no-carrefour-de-porto-alegre-mourao-nega-racismo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

  2 https://revistapesquisa.fapesp.br/quase-pretos-quase-brancos/

  3 https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/19/atlas-da-violencia-2019

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email