Golpe contra Dilma implantou governo com prazo para fazer trabalho sujo

"Contrariando uma parte da frente do golpe, o governo Temer assumiu com o objetivo de encetar um acordo visando estancar as investigações da Lava Jato e outras operações, de que o roteiro de Romero Jucá na delação de Sérgio Machado é o documento irrefutável. Mas as investigações continuaram até chegar ao PMDB e se aproximar de franjas do PSDB, núcleo duro de sustentação do governo Temer", lembra o senado Lindbergh Farias (PT-RJ); "Os planos da 'doutrina de choque', para se realizarem, contavam com a destruição da esquerda e do PT. A ofensiva contra nós foi tão arrasa-quarteirão que –dizia-se–, por longos anos não levantaríamos do chão. Não é o que vem sucedendo. A correlação de forças está mudando e o bloco no poder do golpe será derrotado em 2018. Ou até antes…"

Bras�lia - Presidente Michel Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no lan�amento do programa Refrota 17, no Pal�cio do Planalto (Valter Campanato/Ag�ncia Brasil)
Bras�lia - Presidente Michel Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no lan�amento do programa Refrota 17, no Pal�cio do Planalto (Valter Campanato/Ag�ncia Brasil) (Foto: Lindbergh Farias)

Nas páginas finais de “Revolução Burguesa no Brasil” de Florestan Fernandes, escritas em 1973, em pleno “milagre econômico da ditadura”, o sociólogo pergunta “se já houve alguma vez um paraíso burguês”, ao que respondia: “Existe no Brasil, pelo menos depois de 1968”.

De fato, o regime político da ditadura escancarou a acumulação capitalista, seja nas fábricas do ABC ou nas frentes expansivas da Transamazônica. Esse “paraíso burguês” era o inferno da sociedade. As cicatrizes daquele tempo ruim estão aí para quem quiser revisitar, nos depoimentos orais dos sobreviventes ou no desespero da gramática estética da produção dos grandes artistas.

Igualmente, o golpe de 2016 –a obscena sessão de 17 de abril está completando um ano–, mais que a deposição da presidenta Dilma, mais que uma modificação de epiderme na superestrutura, significou o retorno ensandecido do “paraíso burguês” nas estruturas sociais. A herança de retrocesso no mundo do trabalho que o governo Temer está deixando, em pouco tempo, é gigantesca. De cambulhada, franqueou a terceirização ampla, geral e irrestrita e pretende desmanchar a Previdência Social.

É verdade que o golpe de 2016 não foi uma quartelada militar, típica dos países latino-americanos na década de 1960. O regime militar durou 20 anos. Desta vez, ao que parece, tratava-se de implantar um Estado de exceção ao estilo de uma ditadura “romana”.

Ou seja, a ditadura de um governo de prazo limitado (2 anos), encomendado a fazer o trabalho sujo –construir a nova institucionalidade autoritária do “paraíso burguês”– e entregar o poder, em 2018, a um presidente eleito do mesmo bloco –de preferência do PSDB. As eleições de 2018 funcionariam como uma espécie de detergente do golpe. Até o resultado das eleições municipais de 2016, o plano estava bem encaminhando.

Justiça se faça, o golpe brasileiro foi uma bem arquitetada “doutrina de choque”. Que seria isso? Nos termos da escritora Naomi Klein, glosando um ensaio de Milton Friedman, “somente uma crise –real ou pressentida– produz mudança verdadeira. Tão logo uma crise se instalava, o professor da Universidade de Chicago defendia que era essencial agir rapidamente, impondo mudanças súbitas e irreversíveis”. Assim foi feito no Brasil.

Contudo, houve problemas de calibragem estratégica no governo Temer. Predominou um pensamento de tipo mágico: após a deposição da presidenta, a “fada da confiança” iria resolver a crise. A fada faltou ao encontro. A equipe econômica de Henrique Meirelles, dita dos “sonhos”, pensou em reformas neoliberais de longo prazo (teto do orçamento, Previdência etc.), mas não encaminhou políticas de curto prazo.

Radicais ao extremo, os economistas de Temer esqueceram de ler as recomendações de John Williamson no Consenso de Washington, com base no fracasso das experiências de ajuste fiscal na América Latina na década de 1980. Dizia Williamson: reformas devem ser executadas com colchões sociais que amenizem o sacrifício das massas. Senão, fracassam por impopularidade. Os índices de pesquisa da hora trazem a popularidade de Temer na lona.

Por outro âmbito, a campanha de massas do impeachment reuniu uma frente ampla composta de mídia, setores do aparelho de Estado, empresariado, direita e partidos do sistema político (exceto PT e esquerda). Essa frente derrubou Dilma, mas logo rachou.

Contrariando uma parte da frente do golpe, o governo Temer assumiu com o objetivo de encetar um acordo visando estancar as investigações da Lava Jato e outras operações, de que o roteiro de Romero Jucá na delação de Sérgio Machado é o documento irrefutável. Mas as investigações continuaram até chegar ao PMDB e se aproximar de franjas do PSDB, núcleo duro de sustentação do governo Temer.

Os planos da “doutrina de choque”, para se realizarem, contavam com a destruição da esquerda e do PT. A ofensiva contra nós foi tão arrasa-quarteirão que –dizia-se–, por longos anos não levantaríamos do chão. Não é o que vem sucedendo. A correlação de forças está mudando e o bloco no poder do golpe será derrotado em 2018. Ou até antes…

(Artigo originalmente publicado no Poder 360)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247