Há 118 anos, o Maranhão viveu a tragédia sangrenta da violência entre brancos e índios

Neste 13 de março, exatamente há 118 anos, o país assistiu a uma das mais traumáticas histórias do indigenismo brasileiro. Conhecido como o Massacre de Alto Alegre, o episódio teve como personagens o cacique João Caboré – o Caoré Imana, ou simplesmente Cauiré, como era chamado por sua gente – e Perpétua dos Reis Moreira, estudante em regime de internato no Instituto da Missão de São José da Providência

Há 118 anos, o Maranhão viveu a tragédia sangrenta da violência entre brancos e índios
Há 118 anos, o Maranhão viveu a tragédia sangrenta da violência entre brancos e índios

Índios guajajaras que participaram do massacre posam em frente ao convento de Alto Alegre, em 1900, meses antes do sangrento episódio. (Crédito: Frei Mathias de Bergamo)

Neste 13 de março, exatamente há 118 anos, o país assistiu a uma das mais traumáticas histórias do indigenismo brasileiro. Conhecido como o Massacre de Alto Alegre, o episódio teve como personagens o cacique João Caboré – o Caoré Imana, ou simplesmente Cauiré, como era chamado por sua gente – e Perpétua dos Reis Moreira, estudante em regime de internato no Instituto da Missão de São José da Providência.

Na época, Perpetinha foi sequestrada por um bravo índio. Os fatos que se sucederam resultaram na morte de 13 frades e freiras italianos em Alto Alegre, no município de Barra do Corda (MA). Pelo menos 200 pessoas morreram no confronto. O caso ocorreu na madrugada de 13 de março de 1901.

Os índios venceram a batalha contra brancos, deixando um rastro de violência. Um episódio sangrento que marcou a luta dos povos indígenas pela sua herança cultural. Por cerca de 20 anos a desconfiança e o desconforto reinariam ainda entre brancos e índios por causa do massacre. Até hoje, em pleno século 21, os fatos têm cores fantásticas.

O episódio ganhou as páginas do livro "Cauiré Imana, o cacique rebelde", escrito por Olímpio Cruz, meu avô. Ele acreditava que, depois de Antonio Conselheiro, em Canudos (BA), a revolta comandada pelo índio Cauiré, no Maranhão, seja um dos grandes destaques entre os movimentos nativistas brasileiros. O caso é especial porque a revolta dos índios ganhou cores mitológicas, permanecendo amalgamada de misticismo e idéias de liberdade.

Mesmo após cem anos da tragédia, a história permanece no imaginário indígena. A trágica morte de frades e freiras foi resultado direto de uma inábil e apressada catequese de missionários estrangeiros. Apesar de bem intencionados, os religiosos desconheciam usos e costumes dos índios. O choque de civilizações foi fatal.

Na primeira edição do livro, publicado em 1982, o próprio Olímpio dizia que sua obra tinha a pretensão de jogar um pouco de luz aos fatos, fornecendo subsídios aos antropólogos e outros cientistas sociais que estudam a causa do índio brasileiro. O esforço dele começou ainda no final dos anos 50 do século 20.

Ao longo de décadas, o poeta e escritor foi reunindo material e farta documentação, fruto de exaustivas pesquisas realizadas por cidades do interior maranhense. Entre os anos 50 e 60, ele percorreu diversas aldeias Guajajara – algumas hoje inexistentes. O trabalho também foi enriquecido com conversas e entrevistas com alguns daqueles que viveram a história.

Em conversas com o velho escritor, até mesmo os poucos índios que sobreviveram aos acontecimentos puxaram da memória o que sabiam do que acontecera no povoado. Isso na era pré-internet, em que documentos e relatos eram muito mais difíceis de serem colhidos. O livro ganhou reedição em 2015 e está disponível na Amazon.

"Cauiré Imana" foi apresentado por Olímpio Cruz como uma reportagem-documento, sem pretensão alguma de ganhar as características típicas de um romance. Além das crenças, usos e costumes dos Guajajaras, o livro aponta algumas causas que, para os índios, justificariam o massacre. O desfecho trágico foi resultado de um violento choque entre mundos distanciados culturalmente por séculos.

De acordo com o antropólogo Júlio César Melatti, que prefaciou o livro O índio na história. A saga do povo Tenetehara, em busca da liberdade, escrito pelo ex-presidente da Funai Mércio Pereira Gomes, a missão religiosa mantinha "uma orientação obsoleta, mesmo para sua época".

Hoje, quando os índios brasileiros enfrentam um governo hostil à luta pela demarcação de terras, o Massacre de Alto Alegre é a memória viva de que o desrespeito aos direitos humanos pode resultar em conflito armado e uma tragédia social. Triste o país que esquece sua gente e sua história.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247