Hora de ajustar as contas públicas

O país não vai conseguir fazer o ajuste fiscal necessário e manter a sustentabilidade das finanças apenas com cortes de despesas. O tamanho do rombo financeiro é tão grande que será inevitável aumentar tributos

O novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem pela frente um desafio gigantesco. As contas públicas do governo federal estão em situação caótica. A gestão petista deixou uma situação de "terra arrasada" na área orçamentária, algo que, diga-se de passagem, também ocorre nas empresas estatais. Há algum tempo as finanças vinham sendo maquiadas para esconder o rombo orçamentário, algo que foi escancarado logo após as eleições. Em 2015 o déficit da União superou R$ 110 bilhões e em 2016 algumas previsões apontam que o saldo negativo deve se aproximar de R$ 70 bilhões. O avanço da dívida pública precisa ser rapidamente contido.

Além da necessidade de equilibrar as contas públicas e estancar o crescimento do endividamento, Meirelles terá que encaminhar medidas no âmbito estrutural que o PT negligenciou. A questão da Previdência Social, por exemplo, envolve uma série de mudanças e muitas delas vão exigir ações impopulares que qualquer governante efetivamente comprometido com a boa governança tem que encaminhar. O saneamento das finanças do país passa necessariamente por uma revisão das regras previdenciárias.

O país não vai conseguir fazer o ajuste fiscal necessário e manter a sustentabilidade das finanças apenas com cortes de despesas. O tamanho do rombo financeiro é tão grande que será inevitável aumentar tributos. É muita ingenuidade achar que tudo pode ser equacionado de outra forma.

Um tributo que o governo Temer está considerando é a volta da CPMF. Nesse ponto cabe salientar que essa forma de tributação é efetivamente a mais adequada para o país frente às alternativas de elevação das alíquotas de impostos e contribuições já existentes.

Comparativamente ao aumento de tributos como, por exemplo, o Imposto de Renda sobre distribuição de lucros e dividendos, a Cide ou ganhos de capital, um imposto sobre a movimentação financeira revela vantagens. É uma forma de tributação que comprovadamente causa menor impacto sobre a economia e sobre as famílias. Seu efeito é difuso, universal, e não elege setores específicos para carregarem o peso do ajuste. É o caminho que minimiza resistências. E se vier acompanhado da substituição de outros tributos, poderá angariar apoios significativos para sua implantação.

Por conta disso, faço a defesa da tributação sobre a movimentação financeira, no estilo CPMF, mas diferente dela. A ideia é instituir um tributo dessa natureza para fazer o ajuste fiscal e que ele também possa contribuir para o processo de reforma da Previdência. Além disso, ele deve ser capaz de reduzir a carga tributária para os trabalhadores e as empresas.

A proposta é criar um imposto sobre a movimentação financeira que comece substituindo algumas contribuições da seguridade, altamente vulneráveis à sonegação e cuja gestão envolve elevados custos, como, por exemplo, os 20% sobre a folha de pagamentos das firmas, a CSLL, a Cofins e os tributos recolhidos pelos trabalhadores para o INSS.

O país precisa recuperar urgentemente as contas públicas a criar condições para sua sustentabilidade. O imposto sobre movimentação financeira, nos moldes da CPMF, seria ideal porque impacta menos sobre os contribuintes.

O pior que se poderia nessa fase de crise é excluir esta alternativa do rol de medidas por mero preconceito, modismo político ou desconhecimento.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247