Moro na solitária de Luís XIV

"Como pode ter no governo um ministro tão poderoso e ambicioso com popularidade superior a do próprio presidente? Era óbvio que esta conta, cedo ou tarde, iria desandar", destaca o colunista Ricardo Capelli sobre a fritura a que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, vem sendo submetido por Jair Bolsonaro. "Sem alternativa de curto prazo, restou ao maior expoente da “República de Curitiba” engolir o orgulho, suportar a solitária e rezar para que Luís XIV não decida decapitá-lo", avalia

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Sergio Moro
Jair Bolsonaro e Sergio Moro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


Qual será o destino do ministro da Justiça? Resistirá na Esplanada? Que alternativas possui? 

Nicolas Fouquet, ministro das finanças francês, esperava ser nomeado primeiro-ministro por Luís XIV em 1661, quando o cargo ficou vago. Temendo estar perdendo prestígio, o ministro organizou uma festa em homenagem ao “Rei Sol” que espantou a Europa pela beleza.

O ministro passeou ao lado do monarca pelos jardins impressionantes de seu suntuoso Castelo de Vaux-le-Vicomte. Logo em seguida, assistiram a uma peça de Molière escrita especialmente para a ocasião. Poucas vezes o mundo tinha visto festa tão grandiosa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fouquet foi dormir acreditando ter recuperado seu prestígio. No dia seguinte, por ordem do rei, foi preso e acusado de conspiração e roubo. Considerado demasiadamente poderoso e ambicioso, viveu os últimos anos de sua vida numa solitária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Regra básica da política: nunca ofusque o brilho do rei.

Como pode ter no governo um ministro tão poderoso e ambicioso com popularidade superior a do próprio presidente? Era óbvio que esta conta, cedo ou tarde, iria desandar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro, que assumiu o governo afirmando que não seria candidato à reeleição, jamais desceu do palanque.

Com o ex-juiz procurando delimitar espaços e se diferenciar o tempo todo, não restou alternativa ao presidente. Jair não economiza poder e artilharia. Atira com força em qualquer um que possa representar ameaça ao seu projeto de poder.

A gota d’água foi a ligação do ministro para Toffoli, sem consultar o presidente, reclamando da decisão sobre o COAF que beneficiou Flávio Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Indignado, o Capitão abriu a metralhadora: “troca-troca com Ricardo Salles”, “ele não estava comigo na campanha”, “vou intervir na PF”, “o pacote anticrime do ministro não é prioridade” e todo tipo de humilhação.

Moro se viu na pele daquele recruta indesejado, apanhando de mão aberta na cara de um Capitão Nascimento enfurecido gritando: “pede pra sair!” Mas, por que ele não sai?

O ex-juiz teve suas arbitrariedades expostas pela Vaza Jato. Coleciona uma série de inimigos poderosos. Saindo da Esplanada, perde o foro. Além do que já apanha da esquerda, viraria alvo da rede bolsonarista. Não é fácil sobreviver na planície com leões famintos no seu encalço.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Doria, na ejaculação precoce de tornar-se rei, correu para estender-lhe a mão. Não faria sentido sair da capital do poder para ficar pendurado num castelo menor.

Quais seriam as outras hipóteses? Candidato a prefeito em alguma capital? Sairia do jogo nacional e, mesmo ganhando, encolheria. 

Encurralado, a saída possível parece ser engolir as humilhações e apostar num futuro eleitoral no longo prazo. Com as revelações do Intercept, o STF pode ter virado um sonho mais distante. 

Candidato a presidente num eventual naufrágio do Capitão, vice de Bolsonaro na chapa da reeleição, ou mesmo disputar o Senado. O caminho até 2022 será longo e penoso.

Sem alternativa de curto prazo, restou ao maior expoente da “República de Curitiba” engolir o orgulho, suportar a solitária e rezar para que Luís XIV não decida decapitá-lo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email