O antissamba do Arnesto

O Arnesto é chanceler no governo do Presidente Riaj Lukashenko, do Brazil (favor não confundir com Brasil). O Arnesto é uma figura exótica. Bizarra, diriam alguns



O Arnesto nunca me convidou para um samba no Brás. Dizem, inclusive, que ele nem sabe onde fica o Brás. O Arnesto é chanceler no governo do Presidente Riaj Lukashenko, do Brazil (favor não confundir com Brasil). O Arnesto é uma figura exótica. Bizarra, diriam alguns. Mas, antes de falarmos mais um pouco sobre o chanceler e suas estultices, convém situarmos o leitor acerca da terra a qual deram o nome de Brazil. Para tanto, recorremos ao Dicionário de lugares imaginários(2003), de Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, com tradução para o português de Pedro Maia Soares, a partir do original I’Isola (1325), de Angelinus Dalorto.

O referido dicionário nos esclarece que o Brazil é uma “ilha na mesma latitude do sul da Irlanda. O nome talvez seja gaélico, uma vez que Bresail é o nome de um antigo semideus pagão e ambas as sílabas Bres e ail denotam admiração. Consiste em um grande anel de terra em torno de um mar interior pontilhado por ilhotas. O mortal comum não pode vê-la e somente uns poucos escolhidos foram abençoados com a visão de Brazil” (p.68). 

Nos chama atenção o trecho da citação que diz que “somente uns poucos escolhidos foram abençoados com a visão de Brazil”. Para os desavisados, pode até parecer um absurdo. Contudo, para a maioria dos brazileiros (sim, a ilha possui uma diversidade de nativos) tal informação não gera surpresa, uma vez que a população pobre e carente da ilha é vítima do preconceito estrutural que já se arrasta por pelo menos trezentos anos. Há registros apontando que os “escolhidos e abençoados” costumam olhar com desdém para os desfavorecidos, obrigados a viver nas periferias da ilha, entregues ao próprio destino. A forma como o governo brazileiro trata seu povo, faz com que o Brazil seja visto como pária aos olhos do mundo. Sobre esta situação, o chanceler Arnesto Caramujo disse com orgulho: “que sejamos pária!”. E assim, à deriva, a sociedade brazileira segue.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Reconhecidamente corrupto e incompetente, o governo do Presidente Lukashenko é formado por figuras excêntricas, como o chanceler Caramujo. Além dele, tem-se um astronauta que receita vermífugo para combater vírus mortal, uma ministra que diz ter visões goiabeiristicas, atores e atrizes de triste memória e beócios em geral. Medonha e longa, a lista das demais criaturas não caberia nesta crônica, e coraria de inveja H.P Lovecraft, Alan Poe e Stephen King. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aqueles que costumam se posicionar contra os desmandos e absurdos da “república de bananas”, como o Brazil ficou conhecido no mundo exterior, são costumeiramente atacados com dizeres do tipo “Vai pra Buca!”, que é uma ilha vizinha (lembre-se que o mar onde se situa o Brazil é pontilhado de ilhas. Buca é apenas uma delas). Essas pessoas também são tachadas de “comunistas” e acusadas de praticar o marxismo cultural, seja lá que diabos isso queira dizer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Contudo, apesar das recorrentes tentativas de destruir a cultura brazileira, muitas vezes a arte tem se levantado, marcando posição em defesa da democracia na ilha (sim, a ilha ainda é uma democracia). Entre os inúmeros poetas surgidos no Brazil, João é um dos maiores. Autor de uma obra poética de altíssima qualidade João faria cem anos em 2020. E não é que o ministro das Relações exteriores, Arnesto Caramujo, do alto da sua insignificância, resolveu criticar o grande poeta (ria, caro leitor, a piada é essa)! Durante uma cerimônia de formatura de novos diplomatas, Caramujo não perdeu a oportunidade de regurgitar suas abobrinhas e exteriorizar suas alucinações sobre a ameaça marxista e, claro, a esquerda. Como ninguém normal aceita participar do antissamba do Arnesto, o coitado vive a desferir ataques gratuitos na tentativa de atrair atenção para si. Contudo, o máximo que o chanceler consegue é o riso enviesado e os aplausos constrangidos dos seus colegas de caterva. O que Arnesto, que assina em cruz por não saber escrever, não sabe é que João e sua poesia são, como diria Capiba, madeira que cupim não rói. 

As notícias voam e, completamente desinteressado das balbúrdias terrenas, João, o poeta que não gostava de música, e que raramente sorria, gargalhou desesperadamente quando soube dos comentários nonsense do chanceler que se comunica javanês. Então, abrindo uma exceção, o poeta ligou o rádio (João ainda não se rendeu ao streaming) e, por horas a fio, ouviu Adoniran Barbosa. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email