O general Covid e o capitão

Jair Bolsonaro "é um nada frente ao poder do general Covid, posto que se atribuía ao inverno russo, que derrotou Napoleão e freou Hitler. Sua fanfarronice não resiste a um peteleco", escreve Marcos Coimbra, diretor do Vox Populi

(Foto: Isac Nobrega - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Só da cabeça de um completo idiota pode sair a ideia de que, enquanto a epidemia está em franca expansão, é hora de “reabrir a economia”, de retomar o nível normal de atividade. O número de doentes e mortes está em franca expansão.  

Basta saber somar dois e dois: se há mais gente na rua, se o comércio, as escolas, os cinemas, voltam a funcionar “normalmente”, aumentam as chances de transmissão e contágio. Mais pessoas são infectadas, desenvolvem quadros graves, têm que ser hospitalizadas e exigem cuidados intensivos. Como a capacidade do sistema de saúde já foi alcançada, milhares não conseguem atendimento e morrem. São essas mortes evitáveis que crescem quando não se reduz o contato social ou se “volta ao normal” na hora errada. 

Ninguém com um mínimo de bom senso e informação ignora esses fatos. Fora alguns charlatães, os médicos e os cientistas são unânimes. Temos as experiências bem sucedidas de diversos países e as que deram errado. Como a doença se espalhou primeiro nos países ricos do Hemisfério Norte, nações como o Brasil tiveram tempo para se preparar. 

O governo idiota de Bolsonaro, não. Acha que tem uma receita melhor que qualquer um, mesmo que seja exatamente o que já se comprovou que não funciona. Por isso, a vasta maioria da opinião pública não confia no que diz.  

O epidemia continua a crescer no Brasil e não estamos nem perto do “achatamento da curva” de contágio. Muitos governadores e prefeitos fazem a sua parte e muitas pessoas estão conseguindo manter-se em isolamento. As pesquisas de opinião mostram que só não se isola quem não tem os meios. Isso ajuda, ao retardar o ritmo da epidemia. 

Mas, por conta da indiferença do idiota que ocupa a cadeira de presidente da República, de seu estímulo a comportamentos irracionais e incapacidade de governar, não foi possível obter o nível necessário de adesão ao confinamento. O Brasil está perto de se tornar o segundo maior foco mundial da pandemia, atrás apenas dos Estados Unidos, se é que não ocuparemos o lugar, o que não sabemos por falta de testes.   

O esforço de contenção foi menos eficaz porque o governo do idiota tem um ministro idiota à frente da economia, que não consegue enxergar um palmo além do seu anacrônico ultra liberalismo. O isolamento radical é, de fato, impraticável em um país onde a maioria da população é pobre ou miserável, mas não se deduz daí que a solução seja jogá-la na rua. Ela precisa é de programas de transferência de renda em larga escala, assim como de crédito abundante para empreendedores individuais e pequenas empresas. Sozinho, o insignificante “auxílio” não resolve nada (e seu efeito positivo na popularidade do governo é pequeno e passageiro). 

Bolsonaro, seus milicos amestrados, os ministros, os aliados no Congresso e Judiciário, os empresários amigos, são completamente indiferentes a como vive e quanto sofre o povo. Para eles, em plena pandemia, lugar de pobre é na rua e a hora é de ganhar dinheiro. São idiotas no sentido que a palavra tinha na Grécia Antiga, indivíduos que só conseguem pensar em si mesmos e são incapazes de conviver como cidadãos na democracia. Ao capitão, dos 30% de apoio que teve, resta o aplauso do fundo do tacho, gente bizarra e suicida.  

O Brasil está indo a passos largos para uma dupla tragédia evitável. Teremos um dos mais longos e graves surtos de Covid-19 do mundo, com centenas de milhares de pessoas doentes, algumas passando por imenso sofrimento, e dezenas de milhares de óbitos. Pela incompetência desses idiotas, a economia enfrenta uma crise difícil de imaginar, cuja duração ninguém consegue calcular. Tudo irá piorar com a “volta à normalidade”.  

Capitaneando a catástrofe, a patética figura de Jair Bolsonaro, que se imagina invulnerável e mais esperto que todo mundo, desafiando, enfezadinho, uma ameaça infinitamente maior e mais forte do que ele. O ex-tenente é um nada frente ao poder do general Covid, posto que se atribuía ao inverno russo, que derrotou Napoleão e freou Hitler. Sua fanfarronice não resiste a um peteleco.

Vai receber um nocaute no queixo e uma lição de humildade. Pena que será tão dura para tanta gente. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247