Por que Lula não deve desistir

"A resistência de Lula é essencial", diz a historiadora Isabel Lustosa; "Na hora em que indicar alguém, ele perde força e divide ainda mais o já dividido campo progressista. Se apoiar Ciro que tem acenado com simpatia para a Lava Jato, corre até o risco de ser preso depois de elegê-lo", afirma; ela lembra ainda que a candidatura Lula "é a maior denúncia possível do golpe que o Brasil está vivendo"

lula
lula (Foto: Isabel Lustosa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em Honduras, o candidato progressista que estava ganhando levou um chapéu durante a contagem de votos e perdeu. No Equador, o sucessor de Correa, para o qual ele fez campanha, mal assumiu, começou um processo de desmontagem de tudo que Correa havia construído durante o seu governo e passou a persegui-lo. No Chile, o Banco Mundial publicou dados falsos sobre a economia influíndo na derrota de Bachelet. 
 
Para qualquer lado que se olhe, as esquerdas estão sendo derrotadas por meio de golpes baixos. 
 
O uso do aparato judicial para neutralizar os governantes e ex-governantes progressistas está em curso em toda parte: Argentina, Peru, Equador, Bolívia, etc. 
 
Não tem refresco.
 
É ingênuo acreditar ainda, a essa altura do campeonato, que as eleições no Brasil correrão normalmente e que, ganhando um candidato de oposição ao atual governo, ele vai assumir e terá condições de por as coisas em ordem. 
 
O conjunto de forças que se uniram no Brasil para impedir que isto seja possível tem condições não só de inviabilizar candidaturas do campo progressista como a do ex-governador da Bahia ou do ex-prefeito de São Paulo, por meio de crimes inventados e ações ostensivas da PF como para, em último caso, impedir que haja eleições. 
 
Em havendo eleições sem um candidato de oposição que chegue ao segundo turno, com a abstenção que disso resultará, não será problema para a turma do golpe entronizar no poder o eleito pouco representativo.
 
Até porque um absolutamente não representativo nos governa hoje e ninguém - pelo menos do mercado - está reclamando. 
 
Por isso seus candidatos não estão nem aí para a propaganda junto ao eleitorado. 
 
O eleitorado que conta para eles e que vai financiar suas campanhas quer é reforma da previdência, congelamento de gastos públicos, terceirização, venda da Petrobrás, privatização do BB e da Caixa, etc e etc. 
 
Basta ler os jornais para ver as promessas que Alckmin, Meirelles e até o Bolsonaro estão fazendo nessa direção.
 
Por isso a resistência de Lula é essencial. 
 
Na hora em que ele indicar alguém, ele perde força e divide ainda mais o já dividido campo progressista. Se apoiar Ciro que tem acenado com simpatia para a Lava Jato, corre até o risco de ser preso depois de elegê-lo. 
 
Se apoiar Boulos ou Manuela, seu apoio também perderá força porque PCdoB e PSOL nunca se entenderam.
 
Que as outras candidaturas do campo progressistas continuem em campanha. 
 
Lula deu apoio a Boulos e a Manuela. 
 
Teria apoiado também a Ciro, se ele não tivesse preferido aceitar o veredicto da lava jato como justo.  
 
Lula não pediu a ninguém para retirar candidatura. 
 
Porque ele sabe que quanto mais vozes se manifestando contra o que está acontecendo no país, mais consciente a população pode ficar. 
 
E a campanha eleitoral, como se sabe, é o único momento em que se ouvem dircursos dissonantes ao que veicula a grande mídia. 
 
Ficando e denunciando ao mundo a perseguição injusta que sofre, Lula é a única voz forte, verdadeira e dissonante capaz de ser ouvida em toda parte. 
 
Ele é a principal força viva da resistência à farsa da institucionalidade que estamos vivendo e continuaremos a viver: com executivo, legislativo e judiciário unidos e funcionando "normalmente".
 
Lula será forte enquanto for candidato contra tudo e contra todos, amparado pela força do povo. 
 
Sua candidatura é a maior denúncia possível do golpe que o Brasil está vivendo. 
 
Enquanto puder resistir, ele resistirá e, no final, como sempre, nos surpreenderá. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247