Ruído da charge

De pronto, a charge de Aroeira ficou sujeita a moralismos e reclames de grupos conservadores. Agem, desta forma, como um tribunal particular e inapelável. Fato é que a charge é apenas uma liberdade artística, uma das dimensões da liberdade de expressão, que é um dos atributos da democracia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ministro da Justiça, André Mendonça, pediu abertura de inquérito para investigar a charge de Renato Aroeira. O problema da charge, para o ministro da Justiça, é que ela associa o presidente Bolsonaro ao nazismo. Por essa razão, o pedido de investigação, em tese, baseia-se na lei dos crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social.

Há situações em que as coisas precisam ser esclarecidas. Notem: na ilustração feita por Renato Aroeira, o presidente aparece com uma lata de tinta e um pincel acrescentando traços às extremidades da cruz vermelha, que simboliza hospitais, transformando-a, assim, em uma suástica (aqui). 

A charge provoca reações. Essa é a capacidade de uma charge: transgredir. Mas, por evidente, uma charge não nasce por via simples. Há vários elementos incitadores. Artistas sabem de coisas. Vamos ver.

Olhem para a charge novamente e vocês verão uma incrível habilidade de Aroeira registrar teor crítico. Vê-se na imagem as expressões “crime continuado” e “bora invadir outro?”, esta última frase ligada ao fato de o presidente estimular população a invadir hospitais para filmar oferta de leitos (ver aqui). Se há indecência na história a culpa não é do Aroeira. 

Outro “gatilho” que fez disparar a charge, remete ao passado. Em 6 de abril de 2011, Jair Bolsonaro, então deputado federal, foi retratado como nazista, ou seja: num cartaz exibido por manifestantes durante protesto na Câmara, uma foto do deputado expunha um bigode de Hitler. Em resposta, Bolsonaro declarou ao portal G1 que não ficou ofendido: “Ficaria bravo se tivesse brinquinho, batom na boca e eles usassem isso em uma passeata gay” (ver aqui). 

A palavra “charge”, de origem francesa, significa “carga”, ou seja: traços carregados de alguém ou de algo a fim de torná-lo jocoso, caricato, burlesco. E tal se terá nos chargistas uma intensa “carga” crítica, por meio de traços exuberantes. E dessa forma as charges trazem à tona algumas intranquilidades. Como tal, os chargistas seguem “inventado” suas histórias, mas, na verdade, recriam a História, falas ou entrevistas de personalidades.

Afinal de contas, a charge é um gênero jornalístico, em que o artista se utiliza da imagem para expressar à coletividade algo sobre política, futebol, corrupção, crise dos hospitais ou até a inépcia de governantes para gerenciar a pandemia. 

De pronto, a charge de Aroeira ficou sujeita a moralismos e reclames de grupos conservadores. Agem, desta forma, como um tribunal particular e inapelável. Fato é que a charge é apenas uma liberdade artística, uma das dimensões da liberdade de expressão (art. 5º, IX, CF/88), que é um dos atributos da democracia.

A função da charge, que fique claro, não é agradar o senso estético e moral de todos – o que é humanamente impossível –, mas sim causar uma reação (uma reflexão!) nas pessoas. Talvez agora conseguimos entender melhor o que disse o velho Ernest Hemingway, com o seu “write hard and clear about what hurts” [escreva duro e claro sobre o que dói].

Cuidamos para que o governo não saia por aí interpelando qualquer coisa esculpida, pintada ou escrita, cantada ou interpretada. 

As charges podem oferecer debates, sim. Censura, não. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247