#SomosTodosAroeira: cartunistas recriam a charge que Bolsonaro quer proibir

"Cartunistas brasileiros e de outros países se uniram contra a tentativa de intimidação do governo Jair Bolsonaro ao colega Renato Aroeira por conta de uma charge publicada originalmente pelo portal Brasil 247", escreve a jornalista Cynatra Menezes

www.brasil247.com - Alguns dos cartuns do perfil @SomosTodosAroeira no instagram
Alguns dos cartuns do perfil @SomosTodosAroeira no instagram (Foto: Divulgação)


Por Cynara Menezes, para o Jornalistas pela Democracia 

Cartunistas brasileiros e de outros países se uniram contra a tentativa de intimidação do governo Jair Bolsonaro ao colega Renato Aroeira por conta de uma charge publicada originalmente pelo portal Brasil 247. O ministro da Justiça, André Mendonça, anunciou que a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República irão instaurar inquérito, com base na Lei de Segurança Nacional, da época do regime militar, para investigar o cartunista e o jornalista Ricardo Noblat, da revista Veja, que divulgou o trabalho do artista no twitter.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O bolsonarismo quer reeditar o que ocorreu na época da ditadura, quando cartunistas como Ziraldo e Jaguar foram presos, e o semanário O Pasquim, onde ambos publicavam suas charges, foi censurado e perseguido. Ziraldo foi para a cadeia antes do Pasquim, em 14 de dezembro de 1968, no dia seguinte à edição do AI-5 (Ato Institucional nº 5), que o próprio filho do presidente, Eduardo, já disse que sonha reeditar. A explicação: com seu lápis, era considerado um “elemento perigoso” pelo regime que torturava e matava opositores.

O cartunista mineiro seria preso novamente em 1970, junto com a turma do Pasquim, por causa de uma inocente intervenção de Jaguar sobre o quadro de Pedro Américo, Independência ou Morte. Como os militares cultivavam o “patriotismo” com adoração à monarquia (tipo hoje, em que o “príncipe” Luiz Phillipe de Orléans e Bragança, é deputado federal bolsonarista), a frase, sucesso na música do trio Mocotó, foi considerada uma “ofensa à Pátria”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
A intervenção de Jaguar sobre Pedro Américo
A intervenção de Jaguar sobre Pedro Américo(Photo: Divulgação)


Para Miguel Paiva, que tinha 19 anos e atuava no Pasquim quando isso aconteceu, na verdade foi uma desculpa para a prisão. “Essa foi a justificativa, eles já estavam querendo fazer isso mesmo”, conta Miguel, também colaborador do Brasil 247 e integrante do coletivo Jornalistas Pela Democracia. Ele lamentou ver a história se repetindo. “Me vem a lembrança na cabeça, a sensação é de que tem alguma coisa ruim lá fora, mas vem também a esperança de que o humor cumpra o seu papel. Sinto mais tristeza que revolta. Acho que é desespero deles. Vão apelar, mas o momento é outro, eles é que continuam iguais.”

Na noite de segunda-feira, 15 de junho, o chargista Duke lançou, em grupos de whatsapp de cartunistas, a ideia de recriar o trabalho de Aroeira, intitulado “Crime Continuado”, sob o título “Charge Continuada”, como uma forma de protesto. Até agora, 55 desenhistas aderiram, com as recriações reunidas no perfil @SomosTodosAroeira no instagram. Para azar de Bolsonaro, ficaram ainda mais contundentes que a primeira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
A charge de Duke que deu início ao movimento
A charge de Duke que deu início ao movimento


“Inicialmente pensei em fazer uma charge sobre o caso, mas depois pensei que algo coletivo teria muito mais força, daí sugeri a ideia de cada um redesenhar a charge. Eu fiz a primeira e brinquei com o título original da charge do Aroeira: ‘crime continuado’ virou ‘charge continuada’, que é exatamente a proposta do movimento”, diz Duke. “Os humoristas e artistas de forma geral são sempre as primeiras vítimas do autoritarismo. Portanto, mais do que nunca, não é momento de se omitir. Quem não se posiciona frente a tantas atitudes autoritárias corrobora com o avanço dos fascismo. Não esperem de nós, chargistas, omissão e silêncio. Vamos resistir e lutar pra superar esse momento de tantos retrocessos.”

A tag #SomosTodosAroeira também está sendo utilizada para divulgar o protesto no twitter. Um abaixo-assinado em solidariedade ao chargista e em defesa da liberdade de expressão já reúne mais de 35 mil assinaturas.


A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e a Abraji (Associação Brasileira de Jornalistas Investigativos) divulgaram notas condenando a intimidação ao cartunista e a Noblat. “É estarrecedor que o ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, anuncie a abertura de um inquérito policial contra o chargista Aroeira e o colunista Ricardo Noblat, devido a uma ilustração criada pelo primeiro e reproduzida pelo segundo, associando Bolsonaro ao nazismo”, afirmou a ABI em nota assinada por seu presidente, Paulo Jerônimo.

“Causa preocupação o Ministério da Justiça invocar a Lei de Segurança Nacional, promulgada durante a ditadura militar, para defender o presidente da República de uma charge crítica a seu governo”, disse a Abraji, pelo twitter. “Embora todo cidadão tenha direito a buscar reparação judicial quando se sente atingido em sua honra, usar o peso do Estado e uma lei criada em período de exceção é desproporcional neste caso, e sugere que o real objetivo é intimidar a imprensa e cercear a liberdade de expressão.”

Os mesmos bolsonaristas que agora perseguem cartunistas adoram apelar à “liberdade de expressão” quando se trata de defender o “direito” de divulgar fake news, atacar minorias, fazer “piadas” racistas e defender que seja instalada uma nova ditadura

A Associação dos Cartunistas do Brasil, a Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo, o Instituto Memorial das Artes Gráficas do Brasil e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo divulgaram uma carta aberta em defesa da liberdade de expressão. “O que é mais estarrecedor, uma charge ou pessoas atirando fogos sobre o STF? Esta uma ação que, sim, mereceria a atenção do Ministro da Justiça”, diz o texto. “Como se não bastasse isso, os desenhistas Laerte, João Montanaro, Alberto Benett e Cláudio Mor estão sendo interpelados na Justiça pela publicação de cinco charges críticas à violência policial.”

Sim, o inquérito contra Aroeira veio na sequência de outra ação, movida pela Associação de Oficiais Militares do Estado de São Paulo em Defesa da Polícia Militar, a Defenda PM, entidade ligada ao bolsonarismo, que entrou na Justiça com um pedido de esclarecimento criminal para que a Folha de S.Paulo e os cartunistas “explicassem” charges consideradas pela entidade como “constrangedoras” a ela e a seus cerca de 2 mil associados. Os trabalhos denunciam a violência policial no Estado, campeão em mortes praticadas por policiais em serviço.

A Sociedade dos Ilustradores do Brasil repudiou a ameaça do governo ao cartunista. “Queremos lembrar ao Ministro da Justiça e ao Chefe da SECOM que o cartunista, exercendo, por meio de seu trabalho, a função de artista e comunicador crítico dos fatos, está em pleno direito de liberdade de expressão, prevista no Artigo 5o da Constituição Federal de 1988”, diz o manifesto. “Tal como lembrou muito bem o jornalista Ricardo Noblat, também ameaçado pelo governo por compartilhar a charge de Aroeira em suas redes sociais: ‘A liberdade de expressão ainda não foi revogada neste país’.”

Curiosamente, os mesmos bolsonaristas que agora perseguem cartunistas adoram apelar à “liberdade de expressão” quando se trata de defender o “direito” de divulgar fake news, atacar minorias, fazer “piadas” racistas e defender que seja instalada uma nova ditadura militar em suas passeatas.

Confira alguns dos trabalhos do movimento “Charge Continuada”. Será que o governo vai processar todos?

Quinho lembrou o ex-secretário de Cultura Roberto Alvim
Quinho lembrou o ex-secretário de Cultura Roberto Alvim

 

Vítor Teixeira
Vítor Teixeira

 

Janete
Janete

 

O mexicano Angel Boligan
O mexicano Angel Boligan

 

Bira Dantas
Bira Dantas

 

Ique
Ique

 

Orlandeli
Orlandeli

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email