"Antes, era ilegal e parecia haver fraude. Agora, confirmou", diz TCU sobre fuga de Weintraub para os EUA

Para o subprocurador-geral do TCU Lucas Furtado, a retificação feita pelo governo federal na data de exoneração do ex-ministro Abraham Weintraub confirma a existência de fraude no ato. "Em uma questão tão sensível, não se pode falar em mero erro”, disse

Weintraub
Weintraub (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O subprocurador-geral do Tribunal de Contas da União (TCU) Lucas Furtado disse, nesta terça-feira (23), que a retificação feita pelo governo federal na data de exoneração do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub confirma a existência de fraude no ato. “Antes, era ilegal e parecia haver fraude. Agora, confirmou. Em uma questão tão sensível, não se pode falar em mero erro”, disse Furtado em entrevista ao Estadão/Broadcast Político. 

Segundo reportagem do blog do jornalista Fausto Macedo, Furtado também teria solicitado que o TCU apure se o Itamaraty teve algum tipo de participação na súbita partida de Weintraub para os Estados Unidos.  A suspeita é que o ex-ministro tenha feito uso do cargo de ministro de estado para viajar aos EUA no último sábado (20) e, desta forma, se livrar das restrições impostas pelo governo norte-americano ao ingresso de brasileiros em função da pandemia do novo coronavírus. Weintraub é investigado em um inquérito do STF por ameaças à Corte. 

A exoneração de Weintraub foi publicada poucas horas após ele desembarcar em Miami, ainda no dia 20. Nesta terça-feira (23), o governo publicou uma retificação informando que Weintraub foi exonerado do cargo “a partir de 19 de junho de 2020”, na data em que ele viajou para os EUA. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247