Bebianno insinuava ter informações sobre a 'facada de Juiz de Fora'

Ex-coordenador de campanha de Jair Bolsonaro, ex-ministro Gustavo Bebiann tinha informações preciosas sobre a eleição de 2018

(Foto: Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A morte do ex-ministro Gustavo Bebianno pode sepultar também informações preciosas sobre o que realmente ocorreu em Juiz de Fora, durante a campanha presidencial, quando Jair Bolsonaro teria levado uma facada providencial, que o afastou dos debates e do duelo com candidatos mais preparados. A esse respeito, vale relembrar artigo escrito por Renato Rovai, editor da revista Fórum, em fevereiro de 2019:

Por Renato Rovai – Em uma longa entrevista ao programa "Os Pingos nos Is", da rádio Jovem Pan, na noite desta terça-feira (19), o ex-ministro Gustavo Bebianno resolveu dizer, de maneira no mínimo suspeita, que Carlos Bolsonaro, aquele que o chamou de mentiroso, mal participou da campanha de seu pai e que a única viagem que fez com a equipe foi para Juiz de Fora (MG), cidade onde Jair Bolsonaro sofreu a facada, em setembro.

Por que Bebianno soltou essa declaração em um programa de audiência nacional depois de ser escorraçado do governo? Seria a declaração uma senha de que seria capaz de trazer à tona revelações mais graves?

Como se sabe, em política ninguém diz nada por acaso. Será que a declaração teria alguma ligação com as dúvidas que ainda hoje pairam sobre a facada?

Há de se registrar ainda que, após o beijo de Judas, Bebianno passou a tecer elogios a Jair Bolsonaro, dizendo que ele não era o "homem bomba", que não atacaria o presidente e que tem certeza de que o capitão da reserva fará um bom governo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247