Bolsonaro diz que demissões no Inep serviram para dar "a cara do governo" à prova do Enem

O chefe de governo insinuou ainda que havia gastos excessivos com determinados funcionários

www.brasil247.com -
(Foto: ABr | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Jair Bolsonaro admitiu que esteve por trás dos pedidos de demissão em massa de servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que se deram às vésperas da realização do Enem. O chefe de governo afirmou, no fórum de investimentos em Dubai, nos Emirados Árabes, que, agora, as questões da prova começam "a ter a cara do governo". 

No dia 4 de novembro, a assembleia da Associação dos Servidores do Inep (Asinep) decidiu - diante de um processo de desmonte que vem acometendo o setor da Educação, desde 2019, com a ascensão de Bolsonaro à presidência da República -, ser necessário lutar pela defesa do Enem de maneira radical. Os funcionários denunciam a gestão do Danilo Dupas à frente do Inep. 

Eles acusam Dupas de promover censura, assédio moral e de não assumir a responsabilidade do cargo. As denúncias resultaram no pedido de exoneração coletiva de 37 servidores e coordenadores, muitos que atuam diretamente na execução do Enem. A realização do exame está mantida para 21 e 28 de novembro.

PUBLICIDADE

"Começam agora a ter a cara do governo as questões da prova do Enem. Ninguém está preocupado com aquelas questões absurdas do passado, de cair um tema de redação que não tinha nada a ver com nada. É realmente algo voltado para o aprendizado", disse Bolsonaro. 

O chefe de governo disse que "o negócio é complexo" e insinuou que havia gastos excessivos com determinados funcionários. "Não quero entrar em detalhes, mas é um absurdo o que se gastava com poucas pessoas lá. Inadmissível". (Com informações do UOL). 

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email