Bolsonaro tenta se desvencilhar de senador com dinheiro na cueca e culpa partidos por indicação de vice-líder

Em sua live semanal pelas redes sociais, Jair Bolsonaro disse também que é possível que haja corrupção em seu governo. “Pode estar havendo corrupção em algum setor? Pode, não é fácil você administrar", afirmou

(Foto: Reprodução/Youtube)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro se eximiu na noite desta quinta-feira (15) de qualquer ligação com o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do governo até essa quarta-feira (14), que foi pego pela Polícia Federal com dinheiro na cueca e entre as nádegas. 

Durante sua live semanal pelas redes sociais, Bolsonaro atacou a imprensa por tentar associar o caso ao governo. “Alguns querem dizer que o caso de Roraima tem a ver com o governo porque ele é o meu vice-líder. Olha, pessoal. Eu tenho, no total, 18 vice-líderes no Congresso. Quinze na Câmara, que foram indicados pelos líderes partidários, e três no Senado, que é de comum acordo”, disse Bolsonaro. 

Em vídeo que circula nas redes sociais, Bolsonaro aparece ao lado do senador do DEM e diz que tem uma "união estável" com Chico Rodrigues. 

Ao lado do ministro da Justiça, André Mendonça, do chefe da Controladoria Geral da União (CGU), Wagner Rosário, Bolsonaro admitiu que é possível haver corrupção em seu governo.

“Pode estar havendo corrupção em algum setor? Pode, não é fácil você administrar. Por exemplo: o Rogério Marinho tem 20 mil obras em execução. Como ele vai tomar conta dessas 20 mil obras? Ele faz em cima do critério da confiança, pede apoio da CGU”, afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247