Cancelar compra superfaturada da Covaxin não 'apaga' corrupção, diz Randolfe

"O corrupto flagrado não 'apaga' seu crime por não ter recebido a propina", afirma o senador e vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede)

www.brasil247.com - Randolfe Rodrigues e Jair Bolsonaro
Randolfe Rodrigues e Jair Bolsonaro (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado | Alan Santos/PR)


247 - O vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede), reforçou novamente, neste sábado, 26, que o cancelamento do contrato de compra das vacinas Covaxin não é suficiente para impedir a investigação por corrupção, após a denúncia dos irmãos Miranda à CPI da Covid. Ele já havia utilizado o argumento na sexta-feira, 25, durante sessão da comissão parlamentar no Senado. 

Irmãos, o deputado Luis Miranda (DEM) e o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda depusera à CPI da Covid na sexta, revelando uma intensa pressão do governo federal para compra do imunizante e que Jair Bolsonaro sabia do esquema liderado pelo seu líder na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, e nada fez. Por isso, ele é acusado de prevaricação pela CPI.

Randolfe destacou nas redes sociais que o artigo 317 do Código Penal define que o crime é "solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem".

Por isso, apesar de não ter concluído a compra superfaturada da Covaxin, para a qual já havia sido estabelecido contrato, o artigo se aplica a "mera promessa ou aceitação da vantagem". "O corrupto flagrado não 'apaga' seu crime por não ter recebido a propina", afirma o senador. A pena para corrupção passiva é de 2 a 12 anos de prisão.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email