China pisa no freio na entrega de insumos para vacinas ao Brasil

Embaixador chinês, Yang Wanming, se reuniu com ministros do governo Bolsonaro e citou a forte demanda internacional pelo IFA e a necessidade do país asiático intensificar a vacinação de sua própria população

Fábrica de vacinas da Sinovac em Pequim
Fábrica de vacinas da Sinovac em Pequim (Foto: REUTERS/Tingshu Wang | REUTERS/Thomas Peter)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Depois que foi atacada por Jair Bolsonaro com uma insinuação de que teria criado o coronavírus, a China agora evita falar em prazos para a entrega de insumos e imunizantes ao Brasil. 

O aviso foi dado pelo embaixador chinês em Brasília, Yang Wanming, durante reunião nesta sexta-feira (7) com os ministros da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Carlos França; e da Saúde, Marcelo Queiroga, além de representantes do Butantan e da Fiocruz. 

Oficialmente, a China atribui a decisão à forte demanda internacional pelo Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) e argumenta que é preciso dar um ritmo mais rápido à vacinação da sua própria população, segundo Globo

PUBLICIDADE

O Brasil espera o fornecimento de IFAs para fabricar 60 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca, além de outras 30 milhões de doses do imunizante da Sinopharm. A expectativa é que os produtos sejam entregues ainda neste semestre.

Bolsonaro ataca a China

Jair Bolsonaro voltou a atacar a China ao insinuar que o coronavírus teria sido criado em laboratório para uso em uma “guerra química”. “É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu porque um ser humano ingeriu um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês”, disse Bolsonaro nesta quarta-feira (5), durante um evento realizado no Palácio do Planalto.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email