Comandante aprofunda confronto com Bolsonaro e diz que Exército não é 'instituição de governo' nem tem partido

"Não mudamos a cada 4 anos a nossa maneira de pensar e como cumprir nossas missões", afirmou o general Edson Pujol, durante seminário da Defesa Nacional, em meio às declarações beligerantes de Jair Bolsonaro

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O comandante do Exército, general Edson Pujol, disse durante o seminário da Defesa Nacional nesta sexta-feira (13) que a instituição não pertence nem ao governo nem a partidos políticos. 

"Não somos instituição de governo, não temos partido, nosso partido é o Brasil. Independente de mudanças ou permanências em determinado governo por um período longo, as Forças Armadas cuidam do país, da nação. Elas são instituições de Estado, permanentes. Não mudamos a cada 4 anos a nossa maneira de pensar e como cumprir nossas missões", afirmou o general. 

As declarações vêm em meio às recentes invocações das forças armadas por parte de Jair Bolsonaro. Na última quarta-feira (11), o presidente defendeu o uso de "pólvora" contra os Estados Unidos, cujo presidente eleito, o Democrata Joe Biden, busca envolver os EUA na causa da defesa da Amazônia. 

Durante uma cerimônia na Acadêmia Militar das Agulhas Negras, Bolsonaro atacou os vizinhos Argentina e Venezuela, que, segundo ele, estão "enveredando por outro caminho" no que diz respeito à liberdade. 

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, defendeu as declarações de Pujol, afirmando que "a política não pode entrar dentro do quartel". 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247