Cúpula bolsonarista do MEC tentou incluir professores de extrema direita na elaboração do Enem

A lista com 22 nomes incluía defensores do governo Jair Bolsonaro, uma professora de Biologia criacionista e quatro docentes ligados à Universidade Mackenzie, de onde veio o ministro Milton Ribeiro

Ministro Milton Ribeiro
Ministro Milton Ribeiro (Foto: Catarina Chaves/MEC | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A cúpula do Ministério da Educação (MEC) tentou incluir professores de extrema direita na elaboração do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Esses docentes não haviam sido aprovados em processo seletivo para colaboradores da prova. A lista com 22 nomes incluía defensores do governo Jair Bolsonaro, uma professora de Biologia criacionista e quatro docentes ligados à Universidade Mackenzie, de onde veio o ministro Milton Ribeiro.

De acordo com informações do jornal O Estado de S.Paulo, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Danilo Dupas, fez a lista com a anuência do MEC. Essas pessoas receberiam a permissão para escolher as questões da prova a partir do banco de itens. Poderiam também acompanhar a impressão da prova na gráfica. Elas deveriam, primeiramente, entrar na sala segura do Enem, um ambiente com detectores de metal e senhas nas portas.

Nesta semana, Jair Bolsonaro afirmou que a administração federal pretende deixar o Enem "com a cara de governo" e fez um alerta sobre a tentativa da administração federal em tirar a credibilidade acadêmica. A crise no Inep levou  ao pedido de demissão de 37 servidores, na terça-feira (9) da semana passada. Na carta de demissão, os servidores do Inep que pediram exoneração alegaram "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima" do instituto, além de assédio de Danilo Dupas.

PUBLICIDADE

A lista com os 22 nomes para a elaboração do Enem circulou entre funcionários e muitos discordaram da medida. O conflito fez o presidente do Inep recuar e retirar os nomes da relação. Além de servidores, a elaboração da prova tem colaboradores externos - são professores escolhidos por meio de um edital de seleção que leva em consideração o currículo e a formação acadêmica. O grupo não passou por essa seleção.

Membros da diretoria da Avaliação da Educação Básica do Inep receberam a lista, que tinha 15 nomes - professores já aprovados e servidores, além dos 22 professores que não passaram pelo processo seletivo. 

PUBLICIDADE

Cerca de 3,1 milhões de candidatos realizam o Enem, o principal meio de acesso às universidades do Brasil. A prova será aplicada nos dias 21 e 28 de novembro.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email