'É absurdo o governo Bolsonaro não incluir nos seus planos a CoronaVac', afirma Celso Amorim

Em entrevista à TV 247, o ex-ministro Celso Amorim afirmou que a compra de vacinas por parte da União deveria ser plural, e não pautada em guerras ideológicas ou políticas, como as que Bolsonaro promove contra a China e Doria

Celso Amorim e Jair Bolsonaro
Celso Amorim e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O embaixador e ex-ministro Celso Amorim classificou na TV 247 nesta terça-feira (24) como "absurdo" o fato de o governo Jair Bolsonaro excluir de seus planos para a vacinação da população brasileira contra a Covid-19 o imunizante desenvolvido pela China em parceria com o Instituto Butantan, a CoronaVac.

Amorim lamentou a chamada "politização das vacinas" e disse que apenas lhe consola o governo federal estar disposto a adquirir a vacina desenvolvida pela Oxford em conjunto com a Fiocruz, devido o grande prestígio da instituição. "É lamentável que isso esteja politizado dessa forma, deveria ter uma colaboração entre o governo federal e os governos estaduais para ver o que é melhor para o Brasil. O que me consola em relação a vacina que o governo federal está indo é que é a Fiocruz, eu tenho muita confiança na Fiocruz, é uma instituição que tem resistido aos piores embates desde o tempo da ditadura".

"Acho que houve muito atraso, a gente poderia ter se concentrado mais. Acho um absurdo o governo brasileiro não incluir a vacina [da China], que não é chinesa né. Na realidade a China fez renovação tecnológica, mas é o Butantan que irá produzir uma grande parte dela. Mas é um absurdo não incluir nos seus planos essa vacina, isso viabilizaria mais economicamente o projeto, como também não acho errado ter a vacina que a Fiocruz está fazendo", completou.

De acordo com o ex-ministro, a decisão de Bolsonaro de não comprar a CoronaVac se dá exclusivamente por "motivo fútil". "Só há motivo fútil nisso, duplamente fútil, porque é ideológico contra a China e de rivalidade política contra o [governador de São Paulo, João] Doria, coisa que não tem nada a ver, nem uma coisa nem outra".

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247