Em depoimento, Paulo Marinho pede que MPF investigue devassa em suas contas

O empresário Paulo Marinho pediu à Procuradoria-Geral do Rio de Janeiro que seja investigada uma possível represália em suas contas pessoais conduzida pelo Banco Central após acusações do ex-bolsonarista contra Flávio Bolsonaro

Paulo Marinho, Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro
Paulo Marinho, Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro (Foto: ABr | Reprodução/Instagram)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O empresário Paulo Marinho prestou depoimento nesta quinta-feira (21) à Procuradoria-Geral do Rio de Janeiro sobre as acusações que fez ao senador Flávio Bolsonaro. Na saída, Marinho disse à imprensa que pediu que sejam investigadas possíveis represálias conduzidas pelo Banco Central por meio de suas contas pessoais.

“A questão que hoje me deixou absolutamente perplexo foi a notícia que eu li hoje de manhã que informa que estão sendo feitas devassas nas minhas contas pessoais por pessoas poderosas de Brasília. Por conta dessa notícia eu aproveitei o depoimento que dei agora e solicitei ao procurador que tomasse as providências devidas e apurasse a veracidade da informação. Para mim hoje o fato mais importante à minha pessoa, à minha segurança pessoal, é essa questão da possibilidade de estar havendo uma devassa nas minhas informações pessoais”, disse Marinho.

Questionado sobre a autoria da "devassa" em suas contas, o empresário se negou a apontar a origem das ações. “Eu não acho nada”.

Paulo Marinho contou que apresentou no depoimento de hoje as mesmas provas que mostrou no depoimento à Polícia Federal na quarta-feira (20), mas com uma riqueza de detalhes maior. “As provas que eu apresentei ontem na PF são as mesmas provas que eu apresentei hoje aqui. Apenas o meu depoimento hoje aqui foi mais rico em detalhes do que o meu depoimento na Polícia Federal porque eles limitam uma determinada data do interesse deles em relação à investigação. Aqui o interesse foi ampliado. [A diferença] é a riqueza de detalhes e a noção de tempo em que os fatos ocorreram, além desse pedido que eu deixei consignado aqui com o meu advogado para que ele pudesse dar sequência a essa solicitação minha”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247