Em mensagens, mulher de Queiroz reconhece que ela e o marido intimidavam testemunhas

Juiz Flávio Itabaiana Nicolau, que decretou a prisão de Fabrício Queiroz, citou mensagens de Márcia Oliveira de Aguiar. Ela comparou o marido com um bandido "que tá preso dando ordens aqui fora, resolvendo tudo". Uma das testemunhas que deixaram de ser ouvidas foi Danielle Nóbrega, ex-mulher do miliciano Adriano Nóbrega, morto pela polícia na Bahia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), avaliou que Fabrício Queiroz e sua mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, poderiam atrapalhar as investigações, ameaçando testemunhas e investigados, se continuassem soltos. O magistrado citou mensagens dela que chegou a comparar o marido com um bandido "que tá preso dando ordens aqui fora, resolvendo tudo". Uma das testemunhas que deixaram de ser ouvidas foi Danielle Nóbrega, ex-mulher do capitão do Bope, Adriano Nóbrega, miliciano morto no começo deste ano pela polícia na Bahia e que era ligado à família Bolsonaro.

O magistrado decretou a prisão preventiva do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro por envolvimento em um esquema de corrupção na Assembleia Legislativa do Rio. 

Nicolau citou mensagens de Márcia, colhidas em ação anterior de busca e apreensão pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ). O relato foi publicado no jornal O Globo. O juiz também decretou a prisão de Márcia, que ainda não foi localizada. 

De acordo com o juiz, testemunhas deixaram de ser ouvidas por orientação de Fabrício Queiroz. Esse foi o caso de Danielle Nóbrega, ex-mulher do capitão do Bope, Adriano Nóbrega, que constou como assessora de Flávio Bolsonaro por 10 anos e foi demitida do gabinete em novembro de 2018 a pedido de Queiroz. 

Nóbrega morreu no começo deste ano em uma operação policial na Bahia. Ele chefiava o chamado Escritório do Crime, grupo de milicianos matadores de aluguel e suspeito de envolvimento com a morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada pelo crime organizado. Ativista de direitos humanos, a ex-parlamentar denunciava a violência policial e a atuação de milícias nas favelas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247