Gravações mostram que, além de assédio sexual, Pedro Guimarães cometia assédio moral na Caixa

O agora ex-presidente do banco tinha acessos de raiva, xingava funcionários e até mesmo forçava-os a ingerir comida apimentada: “quanto mais você chora, mais ele ri. É bem sádico"

www.brasil247.com - Pedro Guimarães
Pedro Guimarães (Foto: Reuters/Adriano Machado)


247 - Após funcionárias da Caixa Econômica Federal denunciarem o ex-presidente do banco Pedro Guimarães por assédio sexual, a coluna de Rodrigo Rangel, do Metrópoles, divulga nesta quinta-feira (30) relatos de assédio moral por parte do ex-chefe da instituição.

"Os testemunhos incluem situações em que Guimarães, a partir do cargo de presidente da Caixa, submeteu subordinados a constrangimentos diversos", diz a reportagem.

Guimarães tinha acessos de fúria durante reuniões e usava termos de baixo calão. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No fim de 2021, por exemplo, relata a matéria, "Guimarães estrilou com executivos da Caixa em razão de uma decisão que havia sido tomada pelo conselho do banco sem que ele tivesse sido informado". O conselho tinha aprovado uma mudança nas normas internas que limitava as nomeações de Guimarães para conselhos da Caixa e bancos ligados à ela. Ele só poderia, portanto, ser remunerado pela atuação em, no máximo, dois conselhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Guimarães chegou a ocupar 18 conselhos, alcançando uma remuneração de R$ 130 mil, além do salário mensal de presidente da Caixa, de R$ 56 mil.

O então presidente do banco viu a mudança como uma tentativa de sabotagem e xingou os responsáveis:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele ainda pediu ao vice-presidente da Caixa, Celso Leonardo Derziê Barbosa, que anotasse o CPF de todos os envolvidos na reunião. Caso o conteúdo da conversa vazasse, todos seriam punidos com a perda dos cargos que ocupavam. 

Celso Leonardo é apontado como o responsável por promover perseguição interna aos que desagradavam Guimarães.

A tarefa de garantir que o teor da reunião não vazasse deveria ficar com Celso Leonardo porque, segundo Guimarães, Álvaro Pires, assessor do gabinete da presidência, é "pau mole" e teria coragem de fazer o que fosse necessário. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em outro trecho vazado, Guimarães trata seus subordinados com desprezo, usa termos grosseiros e revela seu caráter autoritário: "isso aqui não é uma democracia".

Em outro áudio, ele ameaça funcionários que tomem decisões internas sem consultá-lo. 

Os áudios mostram o perfil centralizado do ex-presidente da Caixa. Os assuntos no banco deveriam passar pelo seu crivo ou pelo de sua chefe de gabinete, Rozana Alves Guimarães. 

Funcionários da Caixa relataram que Guimarães, durante viagens a trabalho com subordinados, colocava pimenta na comida dos colegas e forçava-os a comê-la. Ainda que o então presidente desse tom de brincadeira à prática, uma funcionária classifica como 'sadismo'. “Quanto mais você chora e passa mal, mais ele ri. Ele é bem sádico. Em toda refeição de trabalho com ele tinha pimenta no prato de alguém”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email