Igreja Presbiteriana condena apoio a partido de Bolsonaro

A cúpula da Igreja Presbiteriana do Brasil, a décima maior denominação protestante do país, publicou uma nota rechaçando a postura do Pastor e bolsonarista Filipe Barros (PSL-PR), que usou os fiéis para coletar assinaturas para criação do partido de Bolsonaro “Aliança pelo Brasil”.

Dep. Filipe Barros (PSL - PR)
Dep. Filipe Barros (PSL - PR) (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

247 - A cúpula da Igreja Presbiteriana do Brasil, a décima maior denominação protestante do país, com cerca de 750 mil membros distribuídos em mais de 5 068 igrejas locais e congregações, publicou uma nota rechaçando a postura do Pastor e bolsonarista Filipe Barros (PSL-PR), aliado de Bolsonaro, que usou os fiéis para coletar assinaturas para criação do partido de Jair Bolsonaro, o “Aliança pelo Brasil"

A nota diz que  "não é apolítica" e tem um compromisso histórico com a democracia, mas afirmou que "em nenhum momento apresentou ou apresenta apoio a qualquer partido político."

"Em resolução de sua reunião ordinária em 1990, o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil orienta seus concílios em geral que evitem apoio ostensivo a partidos políticos e que as igrejas não cedam seus templos ou locais de culto a Deus para debates ou apresentações de cunho político", diz a nota.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247