Juiz mantém prisão de ambientalistas no Pará após audiência de custódia

O juiz Alexandre Rizzi, da Justiça Estadual do Pará, decidiu manter a prisão preventiva dos quatro brigadistas de uma ONG após uma audiência de custódia. Movimentos sociais denunciam a arbitrariedade da prisão

(Foto: Brigada De Alter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os quatro membros da Organização Não Governamental (ONG) Brigada Alter do Chão (PA) presos pela Polícia do Pará acusados de provocar incêndio na região de Santarém tiveram suas prisões mantidas nesta quarta-feira 27.

O juiz Alexandre Rizzi, da Justiça Estadual do Pará, decidiu manter a prisão preventiva dos quatro brigadistas após uma audiência de custódia e prometeu reavaliar as prisões dentro de dez dias, quando será encerrado o prazo para a conclusão do inquérito.

Os brigadistas presos são Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner. As prisões estão sendo alvo de críticas e denúncias constantes de movimentos sociais. Um vídeo passou a circular nas redes sociais denunciando detalhes da operação (assista aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email