Lava Jato constrangia ministros do STJ com vazamentos planejados de delações ‘vazias’ à imprensa

Além de levantar o patrimônio de ministros do STJ junto à Receita, a força-tarefa vazava à imprensa trechos de delações premiadas para pressionar ministros em suas decisões, como ocorreu com o caso do ministro Ribeiro Dantas (do STJ), que conseguiram tirar da relatoria da Lava Jato, e a delação de Delcídio Amaral

Ribeiro Dantas, Sérgio Moro e Deltan Dallagnol
Ribeiro Dantas, Sérgio Moro e Deltan Dallagnol (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Além de alertar o Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a tentativa de influência da Lava Jato sobre ministros da Corte como Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva citou ainda tentativa de interferência da Lava Jato em outros órgãos do Judiciário, como o Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

De acordo com a peça, a operação "engendrou e implementou ataques ao e. Ministro Ribeiro Dantas, do STJ, que à época era o relator da 'operação' naquele tribunal. O objetivo era o de enfraquecê-lo e de retirá-lo da relatoria da 'Lava Jato' — o que efetivamente veio a ocorrer".

"No diálogo mantido em 28/11/2015 entre o procurador da República Deltan Dallagnol e o ex-procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima planejaram o vazamento de um trecho da delação premiada do exsenador Delcídio do Amaral — que os próprios membros da 'Lava Jato' entendiam ser “vazia” — no ponto em que fazia referência ao e. Ministro Ribeiro Dantas", acrescentou a defesa. 

PUBLICIDADE

De acordo com os advogados do ex-presidente, "além de terem planejado o 'levantamento patrimonial' dos Ministros do STJ por meio da Receita Federal, como mostram as mensagens trazidas em manifestação anterior, os procuradores da 'Lava Jato' atuavam, deliberadamente, para constranger magistrados daquela Corte — inclusive por meio de vazamentos planejados de delações premiadas que eles próprios sabiam que não tinham materialidade".

A defesa também destacou que Sérgio Moro "atuou perante o Tribunal de Apelação — o Tribunal Regional Federal da 4ª. Região (TRF4) —, para que suas decisões fossem mantidas".

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email