Lava Jato passa a integrar o Gaeco e deixa de existir no Paraná

A Lava Jato deixou de existir no Paraná e passou a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). À parte a nova estrutura, a operação teve e continua tendo várias irregularidades que ficam evidentes em diálogos de Sérgio Moro com procuradores do MPF-PR

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 - A Operação Lava Jato deixou de existir no Paraná e passou a integrar, desde segunda-feira (1) passada, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPF. 

Nascida em março de 2014, a operação, que também conta com várias ilegalidades, teve 79 fases, 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de temporária. 

De acordo com o MPF-PR, mais de R$ 4,3 bilhões já foram devolvidos por meio de 209 acordos de colaboração e 17 acordos de leniência, nos quais se ajustou a devolução de quase R$ 15 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O órgão também informou que a Procuradoria-Geral da República integrou ao Gaeco outros quatro procuradores do Paraná, ex-integrantes da força-tarefa, com mandatos até agosto de 2022. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Outros dez membros permanecem designados para atuação em casos específicos ou de forma eventual até 1º de outubro de 2021, sem integrar o Gaeco e sem dedicação exclusiva ao caso, trabalhando a partir das lotações de origem", disse o MPF-PR.

Irregularidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em junho de 2019, o site Intercept passou a divulgar várias denúncias de irregularidades da Operação Lava Jato. Os diálogos apontaram que Sérgio Moro, na condição de juiz, agia como um assistente de acusação e chegou, por exemplo, a recomendar a inversão da ordem das fases da operação. 

O então magistrado também disse ao MPF-PR que faltava informação na denúncia de um réu - Zwi Skornicki, representante da Keppel Fels, estaleiro que tinha contratos com a Petrobrás para a construção de plataformas de petróleo.

Moro questionou, ainda, a capacidade de a procuradora Laura Tessler participar de audiências que envolvessem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outra irregularidade apontou que os procuradores Deltan Dallagnol e Vladimir Aras não entregaram nomes de pelo menos 17 americanos que estiveram em Curitiba (PR), no ano de 2015, sem o conhecimento do Ministério da Justiça, uma demonstração da influência dos Estados Unidos sobre a Lava Jato.

Em outra conduta ilegal, Dallagnol recebeu, em 2016, o valor de R$ 33 mil de uma palestra da empresa de informática Neoway, delatada por um lobista na Lava Jato. Em vez de ser punida, a empresa ofereceu tecnologia à força-tarefa. 

São várias condutas irregulares que continuam sendo reveladas, agora pela defesa do ex-presidente Lula, após liberação do Supremo Tribunal Federal. Confira algumas dessas ilegalidades aqui e aqui

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email