Lava Jato passa a integrar o Gaeco e deixa de existir no Paraná

A Lava Jato deixou de existir no Paraná e passou a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). À parte a nova estrutura, a operação teve e continua tendo várias irregularidades que ficam evidentes em diálogos de Sérgio Moro com procuradores do MPF-PR

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Operação Lava Jato deixou de existir no Paraná e passou a integrar, desde segunda-feira (1) passada, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPF. 

Nascida em março de 2014, a operação, que também conta com várias ilegalidades, teve 79 fases, 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de temporária. 

De acordo com o MPF-PR, mais de R$ 4,3 bilhões já foram devolvidos por meio de 209 acordos de colaboração e 17 acordos de leniência, nos quais se ajustou a devolução de quase R$ 15 bilhões.

O órgão também informou que a Procuradoria-Geral da República integrou ao Gaeco outros quatro procuradores do Paraná, ex-integrantes da força-tarefa, com mandatos até agosto de 2022. 

"Outros dez membros permanecem designados para atuação em casos específicos ou de forma eventual até 1º de outubro de 2021, sem integrar o Gaeco e sem dedicação exclusiva ao caso, trabalhando a partir das lotações de origem", disse o MPF-PR.

Irregularidades

Em junho de 2019, o site Intercept passou a divulgar várias denúncias de irregularidades da Operação Lava Jato. Os diálogos apontaram que Sérgio Moro, na condição de juiz, agia como um assistente de acusação e chegou, por exemplo, a recomendar a inversão da ordem das fases da operação. 

O então magistrado também disse ao MPF-PR que faltava informação na denúncia de um réu - Zwi Skornicki, representante da Keppel Fels, estaleiro que tinha contratos com a Petrobrás para a construção de plataformas de petróleo.

Moro questionou, ainda, a capacidade de a procuradora Laura Tessler participar de audiências que envolvessem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Outra irregularidade apontou que os procuradores Deltan Dallagnol e Vladimir Aras não entregaram nomes de pelo menos 17 americanos que estiveram em Curitiba (PR), no ano de 2015, sem o conhecimento do Ministério da Justiça, uma demonstração da influência dos Estados Unidos sobre a Lava Jato.

Em outra conduta ilegal, Dallagnol recebeu, em 2016, o valor de R$ 33 mil de uma palestra da empresa de informática Neoway, delatada por um lobista na Lava Jato. Em vez de ser punida, a empresa ofereceu tecnologia à força-tarefa. 

São várias condutas irregulares que continuam sendo reveladas, agora pela defesa do ex-presidente Lula, após liberação do Supremo Tribunal Federal. Confira algumas dessas ilegalidades aqui e aqui

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email