Madero, do bolsonarista Júnior Durski, é multado por pagar propina a funcionários do Ministério da Agricultura

Segundo denúncia, os funcionários públicos eram designados para fiscalizarem lojas da rede Madero nas cidades de Balsa Nova e Ponta Grossa, no Paraná

Junior Durski, dono do Madero
Junior Durski, dono do Madero (Foto: Guilherme Pupo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Controladoria Geral da União multou o restaurante Madero em R$ 442 mil por pagamento de propina em dinheiro e alimentos a funcionários do Ministério da Agricultura. O restaurante é controlado pelo empresário Júnior Durski, apoiador de Jair Bolsonaro.

Segundo denúncia, os funcionários públicos eram designados para fiscalizarem lojas da rede nas cidades de Balsa Nova e Ponta Grossa, no Paraná. O valor da multa a ser paga corresponde a 0,1% do valor do faturamento bruto da empresa no ano de 2017, excluídos os tributos e a multa aplicada.

O dono bolsonarista da rede disse em abril que não se podia parar a economia porque “5 ou 7 mil pessoas” iriam morrer devido à pandemia e acabou perdendo clientes e a participação acionária de Luciano Huck.

Em nota, a empresa diz que irá recorrer da decisão e afirma que, na verdade, foi alvo de extersão de funcionários do MAPA. Abaixo, a íntegra do comunicado sobre o episódio:

NOTA À IMPRENSA

São Paulo, 16 de outubro de 2020.

Foi publicada, hoje, no Diário Oficial da União, a decisão da Controladoria-Geral da União (CGU) condenando Madero Indústria e Comércio S.A. (“Grupo Madero” ou “Companhia”) à pena de multa no valor mínimo legal. 

A Companhia não concorda com a manifestação da CGU e vai adotar todas as medidas legais cabíveis para recorrer dessa decisão, porque, na realidade, em 2015 foi vítima de ameaças e extorsões de fiscais do MAPA, e, por iniciativa própria, procurou a Polícia Federal para comunicar esses fatos, tendo colaborado, desde o início, de maneira efetiva com as investigações policiais.

A Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, inclusive, já analisaram esses mesmos fatos e não imputaram qualquer tipo de responsabilidade à Companhia ou a seus representantes.

A própria decisão da CGU destaca que a apuração dos fatos foi oriunda da autodenúncia da empresa.

O Grupo Madero é uma empresa sólida, idônea e que se pauta pela seriedade, qualidade de seus produtos e serviços, bem como na ética que rege a conduta de seus representantes e funcionários.

Atenciosamente,

Madero Indústria e Comércio S.A.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247