Milton Ribeiro diz que Bolsonaro 'não viu nada demais' em áudio com pastores no MEC

O ministro da Educação disse também que permanece no cargo

www.brasil247.com - Ministro da Educação, Milton Ribeiro
Ministro da Educação, Milton Ribeiro (Foto: Reprodução)


247 - O ministro da Educação, Milton Ribeiro, negou nesta quarta-feira (23) que Jair Bolsonaro tenha feito pedido para que a pasta favorecesse uma dupla de pastores recebidos no MEC

Em entrevista à CNN Brasil, Milton Ribeiro disse que Bolsonaro teria pedido para que os pastores fossem recebidos no ministério “[Mas] em nenhum momento o presidente pediu tratamento especial [aos pastores]”, disse Ribeiro. O ministro disse ainda que, após a divulgação dos áudios, falou com Bolsonaro. “O presidente me ligou em uma das viagens e disse: ‘Milton, eu não vejo nada demais no que você falou no áudio’ e que eu estava, até o momento, gozando da confiança dele”.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta quarta-feira abertura de inquérito para investigar o ministro Milton Ribeiro, sobre as denúncias de "captura" da pasta por pastores evangélicos. A ideia é pedir a abertura de investigação contra o ministro e determinar seu depoimento imediato, além dos pastores e das figuras envolvidas na distribuição de verbas na pasta. A investigação deve ser solicitada numa das representações que está com a ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Leia também reportagem da Rede Brasil Atual sobre o assunto:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Escândalo no MEC choca comunidade educacional e acadêmica, que pede saída de ministro

Entidades que reúnem pesquisadores, especialistas, trabalhadores e gestores em educação estão indignadas com o escândalo no Ministério da Educação. As evidências da existência de um esquema de tráfico de influência e de corrupção no centro do MEC, envolvendo o próprio ministro Milton Ribeiro, que é pastor presbiteriano, e pastores amigos do presidente Jair Bolsonaro, desencadearam manifestações pela sua demissão.

Entre elas da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped). E também de 31 associações e entidades científicas do setor e do Fórum das Ciências Humanas, Sociais Aplicadas, Linguísticas, Letras e Artes (CHSSALLA). Ambas divulgaram hoje (23) carta aberta pela derrubada de Milton Ribeiro e de seu projeto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Entendemos que tais denúncias são suficientes para tornar insustentável a manutenção do Ministro e seu projeto, considerando a altivez e robustez que são inerentes à função”, diz trecho da nota. Nesse sentido, o documento pede que órgãos e entidades de controle da Administração Pública Federal averiguem as “denúncias alarmantes, que configuram em improbidade administrativa do Ministro da Educação”.

Em outro trecho, o documento registra que “os princípios proselitistas, bélicos e, mais que conservadores, fundamentalistas, que guiam o Ministério da Educação e outros, durante todo o governo Bolsonaro, não são novidades para pesquisadores/as e trabalhadores/as da Educação”. No entanto, “os fatos veiculados nos principais jornais do país agregam a um MEC inerte, ineficiente e incompetente (…) uma sombra de ilegalidade, parcialidade e favorecimento que fere gravemente os princípios legais da administração pública e o princípio constitucional da laicidade. O prejuízo causado com a continuidade de agendas paralelas, inconstitucionais e contrárias ao interesse nacional já são incalculáveis”.

Improbidade

O conselho direitivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, formado por 12 entidades, também se posicionou. Em nota divulgada hoje, destaca a indignação causada pelo esquema informal no MEC, que prioriza, com a liberação de verbas da educação, prefeituras indicadas por interlocutores privilegiados, atendendo a pedido especial do presidente da República desde janeiro de 2021. 

Os conselheiros pedem investigação e punição. Afirma a “legalidade, impessoalidade, moralidade administrativa, publicidade e eficiência são princípios que regem a administração pública”. E que, portanto, devem ser observados “por todos os gestores públicos, independente do cargo que ocupam, mas especialmente em cargos máximos do executivo”.

“Atos de improbidade administrativa lesam o erário público, desrespeitam os devidos processos legais, deslegitimam o serviço público”, diz a nota.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email