MP pede que TCU suspenda pagamentos à Alvarez & Marsal até a corte avaliar papel de Moro na quebra da Odebrecht

A Alvarez & Marsal, que contratou Sérgio Moro, é administradora judicial da Odebrecht, que entrou em recuperação judicial depois que foi investigada pela Operação Lava-Jato

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters | Reprodução)


247 - O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu que a Corte suspenda qualquer pagamento à empresa Alvarez & Marsal relativo à recuperação judicial da Odebrecht, até que o TCU avalie o papel do ex-juiz da Lava Jato na quebra daquela que já foi a maior empreiteira do País. 

Segundo a jornalista Monica Bergamo, no documento encaminhado ao TCU, o subprocurador geral Lucas Furtado avalia que, "na qualidade de juiz, a atuação do Sr. Sérgio Moro, seja nas decisões proferidas nos processos judiciais, seja nas exigências contidas nos acordos de leniência [que ele firmou com a Odebrecht] , pode ter contribuído para a situação de insolvência da empresa".

A Alvarez & Marsal é administradora judicial da Odebrecht, que entrou em recuperação judicial depois que foi investigada pela Operação Lava-Jato. Moro foi contratado pela Alvarez & Marsal em novembro, para atuar na área de "disputas e investigações".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Furtado também pede que as mensagens entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, inseridas pela defesa de Lula em ação contra Moro no Supremo Tribunal Federal (STF), sejam compartilhadas com o TCU."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email