MP pede que TCU suspenda pagamentos à Alvarez & Marsal até a corte avaliar papel de Moro na quebra da Odebrecht

A Alvarez & Marsal, que contratou Sérgio Moro, é administradora judicial da Odebrecht, que entrou em recuperação judicial depois que foi investigada pela Operação Lava-Jato

(Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu que a Corte suspenda qualquer pagamento à empresa Alvarez & Marsal relativo à recuperação judicial da Odebrecht, até que o TCU avalie o papel do ex-juiz da Lava Jato na quebra daquela que já foi a maior empreiteira do País. 

Segundo a jornalista Monica Bergamo, no documento encaminhado ao TCU, o subprocurador geral Lucas Furtado avalia que, "na qualidade de juiz, a atuação do Sr. Sérgio Moro, seja nas decisões proferidas nos processos judiciais, seja nas exigências contidas nos acordos de leniência [que ele firmou com a Odebrecht] , pode ter contribuído para a situação de insolvência da empresa".

A Alvarez & Marsal é administradora judicial da Odebrecht, que entrou em recuperação judicial depois que foi investigada pela Operação Lava-Jato. Moro foi contratado pela Alvarez & Marsal em novembro, para atuar na área de "disputas e investigações".

PUBLICIDADE

Furtado também pede que as mensagens entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, inseridas pela defesa de Lula em ação contra Moro no Supremo Tribunal Federal (STF), sejam compartilhadas com o TCU."

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email