PF abre inquérito para investigar Bolsonaro no escândalo da Covaxin

O inquérito será conduzido pelo Sinq (Serviço de Inquérito) da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF: Bolsonaro é o alvo das investigações

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nobrega - PR)


247 - A Polícia Federal abriu inquérito para investigar suspeita de prevaricação de Jair Bolsonaro nas negociações do governo federal para a compra da vacina indiana Covaxin. O inquérito será conduzido pelo Sinq (Serviço de Inquérito) da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, setor que cuida de apurações que envolvem pessoas com foro. A informação foi publicada pela coluna Painel

A apuração vem após declarações do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), que disse ter avisado Bolsonaro sobre irregularidades nas tratativas para a importação do imunizante. 

A prevaricação é um tipo criminal em que o agente público deixa de agir ou retarda a ação em favor de interesses pessoais.

A Procuradoria-Geral da República pediu a investigação após a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber cobrar manifestação da PGR sobre a notícia-crime apresentada ao Supremo por três senadores.

A compra do imunizante foi a única para a qual houve um intermediário e sem vínculo com a indústria de vacina, a empresa Precisa. O preço da compra foi 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela fabricante. Barros negou ter participado das negociações.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email