PF faz busca e apreensão em endereços de Ricardo Salles e quebra seu sigilo bancário e fiscal

A Polícia Federal faz uma operação contra Ricardo Salles, funcionários do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama. Há operações de busca e apreensão. O ministro teve seu sigilo bancário quebrado. Eles são acusados de corrupção, ao facilitar a exportação ilegal de madeira. A ação atinge também o presidente do Ibama, Eduardo Bim

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Foto: Carolina Antunes/PR | Ueslei Marcelino/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A Polícia Federal faz na manhã desta quarta-feira (19) uma operação contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles e funcionários da pasta e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).  Eles são acusados de corrupção ao facilitar a exportação ilegal de madeira. A ação atinge também o presidente do Ibama, Eduardo Bim. O ministro e o presidente do Ibama tiveram seus sigilos bancário e fiscal quebrados e há ações de busca e apreensão em seus endereços, do Ministério e do Ibama.

Segundo a coluna Painel, a decisão também suspendeu um despacho do Ibama, de 2020, que, de acordo com a PF, permitia a exportação de produtos florestais sem a emissão de autorizações.

Os mandados foram autorizado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Além das buscas, a Corte determinou o afastamento preventivo de dez agentes públicos que ocupavam cargos e funções de confiança no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Ministério do Meio Ambiente (MMA), entre eles Eduardo Bim. 

PUBLICIDADE

Após determinação do Supremo Tribunal Federal, investigadores apuram crimes contra a administração pública (corrupção, prevaricação, advocacia administrativa, e, especialmente, facilitação de contrabando) praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

Cerca de 160 policiais federais cumprem 35 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e nos Estados de São Paulo e Pará. 

PUBLICIDADE

As investigações começaram em janeiro deste ano após informações obtidas junto a autoridades estrangeiras que relataram desvio de conduta de servidores brasileiros no processo de exportação.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email