PT entra com pedido de impeachment de Bolsonaro por apologia à tortura

Documento assinado pelos deputados Rogério Correia e Rui Falcão e pela ex-ministra Eleonora Menicucci aponta que Bolsonaro fez apologia à tortura ao atacar a ex-presidente Dilma Rousseff, duvidando que ela tenha sido torturada pela Ditadura Militar

Jair Bolsonaro e Dilma Rousseff
Jair Bolsonaro e Dilma Rousseff (Foto: PR | Fernando Donasci)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A bancada do PT decidiu na tarde desta quinta-feira (7) ingressar  com novo pedido de impeachment de Jair Bolsonaro. Desta vez o crime cometido foi a apologia a tortura, tipificado no artigo 287 do Código Penal: “fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime". A tortura é considerada crime hediondo, imprescritível e inafiançável em cláusula pétrea da Constituição federal.

No dia 28 de dezembro, Bolsonaro fez ironias sobre as torturas sofridas pela ex-presidenta Dilma Rousseff, chegando até a duvidar que Dilma havia sido torturada

O pedido de impeachment é assinado pelos deputados federais Rogério Correia (PT-MG) e Rui Falcão (PT-SP), além da ex-ministra Eleonora Menicucci, ela também ex-vítima de tortura.

 “Ao ofender a presidenta Dilma, duvidar da tortura, dar gargalhada, coisa que ele já tinha feito no passado, como deputado, ele fez agora como presidente da República e, como presidente, esse crime hediondo é também crime de responsabilidade, passivo de impeachment”, diz Rogério Correia.

Leia na íntegra o pedido de impeachment de Bolsonaro:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email