'Se você fizer lockdown no Nordeste vai me foder e perco a eleição', disse Bolsonaro a Ludhmila Hajjar

Durante a conversa com a cardiologista Ludhmila Hajjar nesta segunda-feira (15), Jair Bolsonaro quis saber a opinião da médica sobre a cloroquina e criticou medidas de restrição social, porque podem levá-lo à perder a reeleição

(Foto: Reuters | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro deixou claro para a médica cardiologista Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o Ministério da Saúde, que ele tem medo de perder as eleições se seguir os procedimentos indicados pela ciência no combate à pandemia de coronavírus. 

Segundo site Poder 360, que divulgou bastidores da reunião de Bolsonaro e Hajjar na manhã desta segunda-feira (15), o presidente quis saber o que a médica achava da cloroquina, que não tem eficácia contra a Covid-19, e também sobre medidas que restringem a circulação da população para frear os contágios pelo coronavírus. 

Ele disse ser contra o fechamento de negócios e a adoção de toque de recolher, casos de São Paulo e Brasília, e dirigiu-se a Ludhmila no seu estilo que mistura franqueza com rispidez: “Você não vai fazer lockdown no Nordeste para me foder e eu depois perder a eleição, né?”.

Em resposta, segundo o Poder 360,  Ludhmila afirmou que as medidas de distanciamento mais restritivas deveriam ser tomadas em situações extremas, em locais em que o número de doentes e de mortes exigisse isso. "Pazuello entrou na conversa. Disse que tinha dados diferentes e que os governadores estavam mentindo sobre a taxa de lotação de UTIs (unidades de terapia intensiva) e outras estatísticas. Ludhmila expressou descrença sobre  isso", diz o site. 

Após reunião nesta segunda-feira (15) com Jair Bolsonaro, a cardiologista Ludhmila Hajjar recusou o convite para assumir o Ministério da Saúde e ressaltou que se “pauta pela ciência” ao criticar medidas defendidas pelo governo como uso da cloroquina e pregação contra o lockdown.

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email