Seguindo "garoto-propaganda Bolsonaro", Exército já produziu 3 milhões de comprimidos de cloroquina

Exército brasileiro já produziu até o presente momento 3 milhões de comprimidos de cloroquina 150 mg, medicação que não tem comprovação de eficácia alguma no combate ao novo coronavírus

Bolsonaro mostrando uma caixa de cloroquina
Bolsonaro mostrando uma caixa de cloroquina (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Segundo a cartilha de Bolsonaro em sua cruzada em defesa da medicação hidroxicloroquina, o laboratório do Exército brasileiro já produziu até o presente momento 3 milhões de comprimidos de cloroquina 150 mg, medicação que não tem comprovação de eficácia alguma 

Segundo reportagem do portal UOL, nesta quarta-feira (22) em um vídeo com mensagem às tropas, o comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, listou as ações das Forças Armadas para minimizar os danos da pandemia e destacou o aumento da produção de cloroquina pelo laboratório do Exército.

Pujol destacou que o laboratório químico e farmacêutico do Exército "aumentou significativamente a produção de cloroquina e álcool em gel".

Efeito positivos em macacos 

 Um estudo (em inglês) publicado nesta quarta-feira (22) na revista Nature, indica o que grande parte da comunidade científica já defende: a não eficácia do medicamento Hidroxicloroquina, defendida incisivamente por Jair Bolsonaro. 

A pesquisa comprovou que  “a hidroxicloroquina mostrou atividade antiviral em células renais do macaco verde africano, mas não em um modelo de epitélio das vias aéreas humanas reconstituído".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247