TRF-1 manda juiz decidir "imediatamente" sobre pedido de afastamento de Salles

O Ministério Público havia entrado com pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, no dia seis de julho e solicitou uma definição da Justiça no dia 28 de setembro

Ricardo Salles
Ricardo Salles (Foto: Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) Ney Bello determinou nesta terça-feira (13) que o juiz da 8ª Vara Federal no Distrito Federal decida "imediatamente" sobre pedido do Ministério Público Federal de afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. 

Um pedido para uma definição da Justiça já havia sido feito no dia 28 de setembro, mas não tinha sido atendido até então. A solicitação de afastamento foi feita no dia seis de julho

Procuradores do MPF argumentam que "a permanência do requerido Ricardo de Aquino Salles no cargo de Ministro do Meio Ambiente tem trazido, a cada dia, consequências trágicas à proteção ambiental, especialmente pelo alarmante aumento do desmatamento, sobretudo na Floresta Amazônica".

No documento enviado ao TRF-1, o MPF apresenta dados sobre o desmatamento entre 2018 e 2019 na Amazônia. "Caso não haja o cautelar afastamento do requerido do cargo de Ministro do Meio Ambiente, o aumento exponencial e alarmante do desmatamento da Amazônia, consequência direta do desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente, pode levar a Floresta Amazônica a um 'ponto de não retorno', situação na qual a floresta não consegue mais se regenerar".

Leia, abaixo, a decisão do desembargador Ney Bello na íntegra:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247