Weintraub diz que governo Bolsonaro se prepara para cassar concessão da Globo: "ela não sobrevive até 2023”

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou sua participação numa live promovida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para afirmar que o governo Jair Bolsonaro está preparando a cassação da concessão da TV Globo. "Tem uma rede de televisão que ela não sobrevive até 2023", disse

Abraham Weintraub e Irmãos Marinho
Abraham Weintraub e Irmãos Marinho (Foto: Agência PT | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou sua participação numa live promovida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), realizada neste domingo (5) para afirmar que o governo Jair Bolsonaro está preparando a cassação da concessão da TV Globo. Segundo Weintraub, a emissora “não sobrevive até 2023”. 

“Tem uma rede de televisão que ela não sobrevive até 2023. Ela deve aos tubos, porque não pagou imposto, não vai ter certidão negativa pra renovar concessão. Ou ela paga um buzilhão de imposto que ela nunca teve que pagar ou ela não renova concessão, porque não vai ter certidão negativa”, disse Weintraub. 

Ainda conforme Weintraub, a família Marinho, dona da emissora, sabe que o governo vem buscando formas para cassar a concessão pública, o que justificaria os ataques para que Jair Bolsonaro deixe o poder. Para o ministro, a família Marinho sabe disso e, por esse motivo. “A luta deles é de vida ou morte contra Bolsonaro”, afirmou. 

 Weintraub também atacou a China na mesma liveao dizer que o coronavírus é "um vírus chinês",  e que outros vírus chineses virão porque eles "comem tudo o que o sol ilumina". O ataque do ministro fez a China elevar o tom da resposta diplomática e abriu espaço para que o país asiático passe a retaliar a economia nacional, além de vetar exportações de equipamentos médicos para o Brasil. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247