Revista científica Lancet volta a advertir: cloroquina não combate coronavírus e pode levar à morte

Segundo o artigo, o risco de efeitos colaterais cardíacos durante a pandemia pode aumentar

(Foto: REUTERS/George Frey)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Artigo publicado na revista médica Lancet alertou sobre a hidroxicloroquina e azitromicina para o coração. Os medicamentos estão sendo defendidos por Jair Bolsonaro no combater ao coronavírus, mesmo sem ter eficácia comprovada cientificamente. Segundo o artigo, o risco de efeitos colaterais cardíacos durante a pandemia pode aumentar.

O artigo é assinado por médicos da Universidade de Sorbonne, em Paris, na França - onde o tratamento por hidroxicloroquina contra a Covid-19 começou, mas que o medicamento foi retirado oficialmente de uso, após a comprovação de sua ineficácia e risco cardíaco, causando arritmias, hipocalemia e outros problemas.

Acrescentam que, além disso, altas doses de hidroxicloroquina costumam ser associadas na Covid-19 ao antibiótico azitromicina, caso do presidente Jair Bolsonaro, por exemplo. A combinação da cloroquina com a azitromicina, como defende Bolsonaro, que diz estar com coronavírus, segundo os cientistas franceses, pode acentuar o risco de taquicardia ventricular.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email