Marcos Rogério "apanha" de Pedro Hallal na CPI da Covid: "pergunta de grupo de WhatsApp" (vídeo)

O pesquisador se irritou com a superficialidade de uma pergunta feita pelo governista Marcos Rogério

Marcos Rogério
Marcos Rogério (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O epidemiologista e professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Pedro Hallal, que depõe à CPI da Covid nesta quinta-feira (24), deu uma dura resposta aos ataques proferidos pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO), um dos mais ferozes defensores do governo Jair Bolsonaro na comissão.

Hallal, que durante sua exposição ressaltou de forma enfática a culpa de Bolsonaro pelas mais de 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil, se mostrou insatisfeito diante da pergunta superficial do senador, que usou do fato de o pesquisador ter sido infectado pelo coronavírus anteriormente para desqualificar seus argumentos científicos. "Esse cuidado, fruto dessa sua concepção, não te deu a oportunidade de não se expor [ao vírus]?", perguntou Marcos Rogério.

O especialista então rebateu: "lamento muito sua última consideração. É a típica pergunta que circula em grupos de WhatsApp e eu não esperava que o senhor trouxesse uma pergunta dessa magnitude para a comissão".

PUBLICIDADE

"Não há corrupção nesse governo"; "e o Salles?"

Em outro episódio, desta vez mais no início da sessão da CPI desta quinta-feira, Marcos Rogério fez uma defesa do atual governo afirmando que não há denúncia de corrupção na gestão federal.

PUBLICIDADE

O senador Humberto Costa (PT-PE) lembrou o colega, porém, do agora ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que deixou o cargo na quarta-feira (23) com duas investigações contra ele em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF), que apura se o ex-chefe da pasta atuou em um esquema de importação de madeira ilegal da Amazônia. 

"O Brasil mudou. Não há nenhuma denúncia de corrupção nesse governo", disse o governista. Humberto Costa então respondeu: "e o ex-ministro Salles, estava brincando de boneca?".

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email