Economia

Campos Neto diz que não deve satisfações ao governo sobre rumos da política monetária

"É uma prerrogativa do Banco Central, que tem autonomia. Nunca fiz isso no governo anterior e com certeza não planejo fazer neste", disse ele

Imagem Thumbnail
Roberto Campos Neto em audiência no Senado - 10.08.2023 (Foto: Pedro França/Agência Senado )

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo após a reunião do Copom que reduziu o ritmo de cortes de juros e gerou divisão entre os diretores do Banco Central, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, defendeu a forma de comunicação do Banco Central e a mudança do “guidance”, orientação sobre a política monetária. Questionado sobre se poderia ter informado o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sobre a alteração da orientação antes de um evento para investidores em Nova York, Campos Neto afirmou que nunca fez isso, nem no governo anterior, e que não o fará agora.

"Já houve muitas mudanças de guidance – estou aqui há seis anos – e em nenhum momento passou pela minha cabeça ligar para o ministro Paulo Guedes para falar que achava que o guidance ia mudar para A, B ou C. É uma prerrogativa do Banco Central, que tem autonomia. Nunca fiz isso no governo anterior e com certeza não planejo fazer neste", afirmou.

Os diretores do Banco Central discutiram internamente os efeitos da divisão do colegiado, que decidiu, por 5 a 4, cortar a Selic em 0,25 ponto percentual (pp), e reconheceram que isso levaria a várias interpretações pelo mercado financeiro. "Chegamos à conclusão de que, do jeito que o voto se desenhou, poderia ter vários tipos de interpretação. Entendíamos que era importante cada um seguir com a sua opinião, e entendemos que aquela divisão teria tempo de explicar. A reunião foi baseada em aspectos técnicos", afirmou Campos Neto.

Ele também mencionou que vários diretores expressaram dúvidas sobre o ritmo de cortes da Selic devido às mudanças no cenário internacional e interno. No entanto, não houve divergência em relação às "condicionantes" do cenário, mas sim se elas seriam suficientes para justificar um corte menor dos juros. "Todo mundo nesta reunião achou que as condicionantes eram relevantes. A questão é: dado que tínhamos um guidance, e havia uma conversa sobre diminuir o ritmo, de 0,5 pp para 0,25 pp, o que achávamos que era relevante e justificava isso? Aí sim teve divergência", disse.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Sobre a comunicação do Banco Central, Campos Neto afirmou que a instituição está trabalhando dentro do padrão, com poucas comunicações oficiais, como ata e relatório de inflação. Ele destacou que, quando o mercado muda e é necessário passar uma mensagem, a informação deve chegar para todos ao mesmo tempo. "Não existe entre nós nenhuma regra que alguém precise consultar o outro. Cada um tem liberdade de expressão", explicou.

Campos Neto também abordou a possibilidade de adotar um formato de comunicação semelhante ao do Fed, com entrevista coletiva. "A experiência do Fed não sei se é tão boa. Não existe forma perfeita de comunicação, buscamos a melhor forma possível. A forma de comunicação ideal é a que se ajusta a uma média dos episódios, não a todos", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de novos cortes da Selic, Campos Neto foi cauteloso. "Não posso adiantar novos cortes. Precisamos de tempo, serenidade e calma para saber como as variáveis vão se desenrolar", disse.

Ele também comentou sobre a estabilização da dívida fiscal, destacando que é mais importante o que o mercado entende sobre a curva fiscal do que a sua opinião pessoal. "Dado que a credibilidade fiscal está sendo questionada, se houver descasamento das políticas fiscal e monetária, o custo de desinflação é mais alto e pode significar juros mais altos por mais tempo", explicou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Campos Neto finalizou a entrevista afirmando que críticas são normais e que a decisão do Banco Central é sempre baseada em aspectos técnicos e na melhor comunicação possível. "Estou acostumado a críticas e elas não influenciam em nada minha decisão", concluiu.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO