Com repercussão negativa, Bolsonaro procura parlamentares europeus para aprovar acordo Mercosul-União Europeia

O acordo de livre comércio entre Mercosul e a União Europeia foi firmado em 2019, mas foi rejeitado pelos congressistas por conta da repercussão negativa do governo brasileiro no exterior

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo de Jair Bolsonaro está procurando congressistas europeus para tentar convencê-los a voltar atrás na rejeição do tratado de livre comércio firmado, há um ano atrás, entre o Mercosul e a União Europeia. As informações são do jornal O Globo. Com a política de desrespeito ao meio ambiente e aos direitos humanos, o governo brasileiro acabou sendo criticado por políticos europeus, como presidente francês, Emmanuel Macron, criando uma empecilho para a expansão do comércio do País.

Em entrevista ao jornalista Jamil Chade, a deputada holandesa Esther Ouwehand, que liderou a campanha contra o acordo com o Mercosul, disse que em seu país, o Parlamento não irá aprovar o tratado.

"Vemos três problemas", diz a deputada. "Um deles é a Amazônia. Esse acordo pode colocar pressão sobre a floresta. O outro ponto é a violação dos direitos dos povos indígenas no Brasil. Além disso, a situação das exportações brasileiras era também considerada. Os agricultores europeus são cobrados certos padrões, inclusive de sustentabilidade. Temos de proteger essa comunidade para que a transição a esse novo modelo possa ocorrer. E não os expor à concorrência brutal de países como o Brasil, onde a produção de carnes e outros temas ocorre de outra forma".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email