Mourão indica que Renda Cidadã morrerá na praia: "não tem de onde tirar dinheiro"

O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse a jornalistas que o governo não deve insistir em usar recursos de precatórios ou do Fundeb para financiar o programa. A Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) afirma que os super-ricos brasileiros “podem e devem” financiar Renda Cidadã

Hamilton Mourão
Hamilton Mourão (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em meio ao debate sobre a forma como o governo Jair Bolsonaro irá propor o financiamento do programa social Renda Cidadã, o vice-presidente, Hamilton Mourão, disse a jornalistas nesta quinta-feira (1) que  “não tem de onde tirar [dinheiro]. Essa é a realidade”, sinalizando que o substituto do Bolsa Família da atual gestão pode desandar.

De acordo com a CNN Brasil, Mourão não afirmou que o programa está descartado, mas o tom do vice-presidente não é animador para seus aliados.

O plano de remanejar recursos destinados a pagamentos de precatórios e ao Fundeb está descartado, segundo o vice. “Esse assunto já virou a página. Já acabou. [O governo] voltou atrás. Provavelmente, não vai usar [recursos de precatórios] e do Fundeb acredito que também não”.

A Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) afirma que os super-ricos brasileiros “podem e devem” financiar o programa Renda Cidadã. A ampliação das alíquotas do Imposto de Renda sobre os maiores rendimentos e a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) teriam potencial arrecadatório de quase R$ 2 trilhões em 10 anos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247