Primeiro turno torna essencial Lula se mover ao centro, vê JP Morgan

Equipe do banco norte-americano acrescentou que desfecho da véspera torna crucial ex-presidente apresentar plano macroeconômico, com visão firme sobre quem será ministro da Fazenda

www.brasil247.com - Luiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Reprodução)


SÃO PAULO (Reuters) - O resultado do primeiro turno da eleição no Brasil torna essencial a Luiz Inácio Lula da Silva se movimentar em direção ao centro rapidamente, assim como aumenta as chances de Jair Bolsonaro vencer, o que explica uma reação positiva dos mercados nesta segunda-feira, avaliam estrategistas do JPMorgan.

Lula (PT) foi o mais votado na eleição presidencial de domingo, mas disputará um tenso segundo turno com Bolsonaro (PL), que superou o estimado pelas principais pesquisas de opinião e ficou a pouco mais de cinco pontos de distância do ex-presidente.

No caso do petista, a equipe do banco norte-americano acrescentou ainda que o desfecho da véspera torna crucial o ex-presidente apresentar seu plano macroeconômico, talvez até dando uma visão mais firme sobre quem será seu ministro da Fazenda. Bolsonaro já indicou que Paulo Guedes seguirá na Economia.

Os estrategistas também chamaram a atenção para as grandes surpresas no nível estadual, onde os candidatos ligados a Bolsonaro se saíram muito bem tanto nas eleições para governador quanto para o Congresso Nacional.

Esse cenário, avaliaram em relatório após os primeiros resultados da véspera, deve encorajar a campanha de Bolsonaro no início do segundo turno e os resultados nos Estados podem ser uma dica de que proporcionalmente mais votos podem migrar para o candidato no segundo turno.

"Ainda assim, não há muitos votos por aí para conquistar... Será um segundo turno muito combativo."

Na semana passada, a equipe do JPMorgan estimou que cenário mais provável para o primeiro turno na corrida presidencial era Lula à frente de Bolsonaro em 5% ou menos.

"Nossa visão é de que o mercado é de alta independentemente das eleições", afirmaram no relatório com data de domingo, assinado por Emy Shayo Cherman, Cinthya M. Mizuguchi e Pedro Martins Junior. "O período pós-eleitoral deve mostrar uma política econômica moderada e há a eventual chance positiva de que Lula, se eleito, nomeie uma equipe econômica pró mercado."

Além disso, acrescentaram, o Brasil foi o primeiro país a parar de subir as taxas de juros e o Banco Central indicou que as taxas podem começar a cair em junho.

"Os 'valuations' estão atraentes, os fluxos estrangeiros estão ok, os resgates de fundos dedicados a ações locais estão diminuindo", acrescentaram, citando ainda que, do ponto de vista geopolítico, o Brasil está muito bem posicionado, além de ser um país rico em commodities.

Nesta segunda-feira, por volta de 13:40, o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, avançava 4,58%, enquanto o dólar à vista recuava 4,3%, a 5,1617 reais.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email