Neymar diz que poderia ter respondido racismo na bola e reclama de omissão dos árbitros: 'ignoraram'

"Eu queria que os responsáveis pelo jogo (árbitro, auxiliares) se posicionassem de modo imparcial e entendessem que não cabe tal atitude preconceituosa", escreveu Neymar

Neymar Jr. e Álvaro González
Neymar Jr. e Álvaro González (Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O atacante do PSG Neymar Jr. se manifestou pelo Instagram nesta segunda-feira (14) sobre a briga em que se envolveu no último jogo contra o Olympique de Marselha e que resultou em sua expulsão. Neymar se revoltou com o adversário Álvaro González, acusando-o de racismo.

Após a enorme repercussão do caso, Neymar publicou um texto, em português e inglês, afirmando que deveria ter respondido os insultos jogando futebol, mas reclamou principalmente da omissão da equipe de arbitragem que, segundo ele, ignorou as denúncias que fazia contra o racismo do jogador do Olympique de Marselha.

"Achei que não poderia sair sem fazer nada porque percebi que os responsáveis não fariam nada. Não percebiam ou ignoravam. Durante o jogo queria dar a resposta como sempre, jogando futebol. Os fatos mostram que não consegui. Me revoltei. No nosso esporte, as agressões, insultos, palavrões são do jogo, da disputa. Não dá para ser carinhoso. Entendo esse cara (Álvaro González) em parte. Faz parte do jogo. Mas o preconceito e a intolerância são inaceitáveis. Eu sou negro, filho de negro, neto e bisneto de negro. Tenho orgulho e não me vejo diferente de ninguém. Ontem eu queria que os responsáveis pelo jogo (árbitro, auxiliares) se posicionassem de modo imparcial e entendessem que não cabe tal atitude preconceituosa. Deveria ter ignorado? Não sei ainda... Hoje com a cabeça fria respondo que sim. Mas oportunamente eu e meus companheiros pedimos ajuda aos árbitros e fomos ignorados. Esse é o ponto! Aceito minha punição porque deveria ter seguido no caminho da disputa limpa do futebol. Espero, por outro lado, que o defensor também seja punido", escreveu.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247